sicnot

Perfil

Mundo

Bombeiros capturam macacos que provocavam distúrbios em Luanda

O serviço de proteção civil e bombeiros de Luanda conseguiu recolher três macacos que circulavam no centro da capital angolana há mais de um mês, causando distúrbios, mas supostamente outros dois permanecem à solta.

As autoridades sanitárias da capital angolana estão a braços com uma epidemia de raiva, muito por causa do elevado número de animais vadios que circulam nas ruas de Luanda, maioritariamente cães, estando em curso uma campanha de vacinação antirrábica, para controlo da situação. (Arquivo)

As autoridades sanitárias da capital angolana estão a braços com uma epidemia de raiva, muito por causa do elevado número de animais vadios que circulam nas ruas de Luanda, maioritariamente cães, estando em curso uma campanha de vacinação antirrábica, para controlo da situação. (Arquivo)

© China Stringer Network / Reuters

Em declarações hoje à agência Lusa, o porta-voz daquele serviço, Faustino Minguêns, explicou que os animais se encontravam na zona do Kinaxixi, Maianga e São Paulo.

Segundo Faustino Minguêns, o alerta foi dado por munícipes, relatando a presença dos macacos em escolas, numa unidade hoteleira e que chegaram a entrar, inclusive, num banco. 

"Era uma situação que estava a criar insegurança entre as pessoas, principalmente para as crianças. Então começaram a aparecer voluntários, dentre eles médicos veterinários, pessoas que tinham meios para nos poderem ajudar na captura desses animais", explicou. 

Aquele responsável disse que um trabalho conjunto, que incluiu igualmente elementos da Comissão Administrativa de Luanda, permitiu a captura dos três macacos, que estão agora em observação num canil-gatil, localizado no município de Cacuaco.

"Foram entregues para se observar se padecem de raiva ou não, porque tivemos informações que algumas pessoas foram atacadas por esses macacos", sublinhou.

Contudo, a operação ainda não terminou, porque, segundo Faustino Minguêns, alegadamente outros dois macacos andam à solta na zona de São Paulo e do Bairro Popular, também no centro de Luanda. 

"São esses dois pontos que temos conhecimento, mas ainda não conseguimos confirmar a informação", afirmou.

Faustino Minguêns apelou à população para que logo que avistem os animais entrem em contacto com os serviços de bombeiros, evitando atos curiosos, que dificultam o trabalho de captura dos mesmos.

"Foi difícil a captura, porque o macaco é um animal muito astuto, e também por falta de colaboração das pessoas, por isso apelamos que mantenham a calma e desaconselhamos práticas curiosas como tentar atrair o macaco com uma banana, fazer fotos, que fazem com que o macaco se agite e procure refúgio noutro local", frisou.

As autoridades sanitárias da capital angolana estão a braços com uma epidemia de raiva, muito por causa do elevado número de animais vadios que circulam nas ruas de Luanda, maioritariamente cães, estando em curso uma campanha de vacinação antirrábica, para controlo da situação.
Lusa
  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.