sicnot

Perfil

Mundo

Bombeiros capturam macacos que provocavam distúrbios em Luanda

O serviço de proteção civil e bombeiros de Luanda conseguiu recolher três macacos que circulavam no centro da capital angolana há mais de um mês, causando distúrbios, mas supostamente outros dois permanecem à solta.

As autoridades sanitárias da capital angolana estão a braços com uma epidemia de raiva, muito por causa do elevado número de animais vadios que circulam nas ruas de Luanda, maioritariamente cães, estando em curso uma campanha de vacinação antirrábica, para controlo da situação. (Arquivo)

As autoridades sanitárias da capital angolana estão a braços com uma epidemia de raiva, muito por causa do elevado número de animais vadios que circulam nas ruas de Luanda, maioritariamente cães, estando em curso uma campanha de vacinação antirrábica, para controlo da situação. (Arquivo)

© China Stringer Network / Reuters

Em declarações hoje à agência Lusa, o porta-voz daquele serviço, Faustino Minguêns, explicou que os animais se encontravam na zona do Kinaxixi, Maianga e São Paulo.

Segundo Faustino Minguêns, o alerta foi dado por munícipes, relatando a presença dos macacos em escolas, numa unidade hoteleira e que chegaram a entrar, inclusive, num banco. 

"Era uma situação que estava a criar insegurança entre as pessoas, principalmente para as crianças. Então começaram a aparecer voluntários, dentre eles médicos veterinários, pessoas que tinham meios para nos poderem ajudar na captura desses animais", explicou. 

Aquele responsável disse que um trabalho conjunto, que incluiu igualmente elementos da Comissão Administrativa de Luanda, permitiu a captura dos três macacos, que estão agora em observação num canil-gatil, localizado no município de Cacuaco.

"Foram entregues para se observar se padecem de raiva ou não, porque tivemos informações que algumas pessoas foram atacadas por esses macacos", sublinhou.

Contudo, a operação ainda não terminou, porque, segundo Faustino Minguêns, alegadamente outros dois macacos andam à solta na zona de São Paulo e do Bairro Popular, também no centro de Luanda. 

"São esses dois pontos que temos conhecimento, mas ainda não conseguimos confirmar a informação", afirmou.

Faustino Minguêns apelou à população para que logo que avistem os animais entrem em contacto com os serviços de bombeiros, evitando atos curiosos, que dificultam o trabalho de captura dos mesmos.

"Foi difícil a captura, porque o macaco é um animal muito astuto, e também por falta de colaboração das pessoas, por isso apelamos que mantenham a calma e desaconselhamos práticas curiosas como tentar atrair o macaco com uma banana, fazer fotos, que fazem com que o macaco se agite e procure refúgio noutro local", frisou.

As autoridades sanitárias da capital angolana estão a braços com uma epidemia de raiva, muito por causa do elevado número de animais vadios que circulam nas ruas de Luanda, maioritariamente cães, estando em curso uma campanha de vacinação antirrábica, para controlo da situação.
Lusa
  • "Sobre este pântano, não é possível jogar futebol seriamente na próxima época"
    4:46

    Opinião

    David Borges esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, da SIC Notícias, onde analisou as acusações do FC Porto ao Benfica, no caso dos e-mails. O comentador da SIC disse que falta saber se "tudo é verdade" e se os documentos são verdadeiros, o que compete ao Ministério Público apurar. David Borges defendeu ainda que era "bom" que a investigação decorresse de forma rápida e profunda; e não acredita que perante a polémica, se consiga jogar "futebol seriamente", na próxima época.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.