sicnot

Perfil

Mundo

Chicago indemniza negros torturados pela polícia ao fim de 25 anos

A cidade norte-americana de Chicago aprovou na quarta-feira o pagamento de 5,5 milhões de dólares (4,8 milhões de euros) em indemnizações após uma centena de homens, a maioria negros, terem sido torturados pela polícia entre 1972 e 1991.

Charles Rex Arbogast / AP

Segundo o diário  Chicago Tribune, os homens foram torturados pelo antigo chefe da polícia Jon Burge, com o intuito de extrair confissões.

"É uma etapa, mas uma etapa essencial para corrigir os erros, apagar a mancha", afirmou o presidente da Câmara, Rahm Emanuel, citado pelo jornal.

"Chicago vai, por fim, enfrentar o seu passado, aceitá-lo, reconhecer quando algo de errado foi feito e ser forte o suficiente para o dizer", garantiu.

A maioria das vítimas era proveniente dos bairros pobres de South Side e as suas queixas eram contestadas há décadas.

A cidade apresentou as suas desculpas e comprometeu-se a ajudar as vítimas.

"Chicago deu um passo histórico para mostrar ao país e ao mundo que não pode haver prazo de validade para as compensações de crimes tão hediondos como a tortura", disse o diretor geral da Amnistia Internacional dos Estados Unidos, Steven Hawkins, em comunicado.

De acordo com a Amnistia, após a detenção, "os suspeitos eram objeto de terríveis abusos e sujeitos a choques elétricos nos órgãos genitais e outras partes do corpo; eram asfixiados, agredidos ou sujeitos a simulacros de execução, tudo isto acompanhado de insultos de cariz racial proferidos pelos polícias que eram todos brancos". 



Lusa
  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras