sicnot

Perfil

Mundo

Marinha italiana encontrou traineira que se afundou e provocou morte de 700 pessoas

A Marinha italiana anunciou esta quinta-feira que já avistou os destroços da traineira que se afundou em abril quanto tentava fazer a travessia marítima para a Europa, provocando a morte de cerca de 700 pessoas.

Segundo dados da ONU, a confirmar-se a morte dos imigrantes desaparecidos no naufrágio de sábado, desde o início do ano terão morrido em águas do Mediterrâneo cerca de 1600 pessoas, as quais se somam às mais de 3500 que perderam a vida em 2014. (Arquivo)

Segundo dados da ONU, a confirmar-se a morte dos imigrantes desaparecidos no naufrágio de sábado, desde o início do ano terão morrido em águas do Mediterrâneo cerca de 1600 pessoas, as quais se somam às mais de 3500 que perderam a vida em 2014. (Arquivo)

© Handout . / Reuters

"Hoje, cerca de 85 milhas a norte da costa da Líbia foi localizada a 375 metros de profundidade, uma embarcação de cor azul com um comprimento de 25 metros, capaz de ser um dos barcos que se afundou em 18 de abril", anunciou a Marinha num comunicado.

O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, na sequência do desastre humanitário, comprometeu-se a tentar resgatar o barco para que os mortos que ainda estão no porão, trancados, pudessem receber um enterro apropriado. 

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, lamentou, na altura, o naufrágio de uma traineira, com 700 imigrantes a bordo, frente à costa líbia, e pediu à União Europeia (UE) uma resposta face às inúmeras mortes de imigrantes no Mediterrâneo.

Ban Ki-moon manifestou-se "chocado e profundamente entristecido" com a tragédia, a mais recente de uma série de outras ocorridas na última semana, envolvendo a morte de centenas de imigrantes e refugiados, refere em comunicado o seu porta-voz.

Para o secretário-geral da ONU, estas tragédias figuram como "urgentes lembretes da necessidade fundamental de se ter uma forte capacidade de busca e de resgate no Mediterrâneo", pelo que instou a UE e os seus governos a "acelerar os seus atuais esforços no sentido de responder de forma global à situação daqueles que procuram refúgio nas suas fronteiras".

"Com números recorde de pessoas que fogem da guerra e da perseguição, há mais gente a tentar chegar à Europa por barco e estão a perder-se mais vidas", realçou.

Segundo dados da ONU, a confirmar-se a morte dos imigrantes desaparecidos no naufrágio de sábado, desde o início do ano terão morrido em águas do Mediterrâneo cerca de 1600 pessoas, as quais se somam às mais de 3500 que perderam a vida em 2014.

"Isto faz do Mediterrâneo a rota mais mortífera das utilizadas pelos requerentes de asilo e imigrantes", concluiu Ban Ki-moon
Lusa
  • Dijsselbloem mostra algum arrependimento mas recusa demitir-se
    2:40

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas escusa-se a comentar essa possibilidade. Para já, o holandês não se demite do cargo. Esta quinta-feira ouviu as críticas dos eurodeputados no Parlamento Europeu.

  • Há cada vez menos portugueses

    País

    A população em Portugal diminuiu no ano passado, pelo oitavo ano consecutivo, já que o número de mortes continua a ser superior ao de nascimentos, revelam dados hoje divulgados pelo INE.

  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • "Não se pode voltar atrás, o povo de Deus confirmou a necessidade deste Papa"
    3:15
  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.