sicnot

Perfil

Mundo

Obama diz-se pronto para trabalhar com novo Governo israelita

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, saudou esta quinta-feira o "povo israelita, o primeiro-ministro [Benjamin] Netanyahu e a coligação" para a formação de um novo governo, informou a Casa Branca.

A Casa Branca recorda o compromisso dos Estados Unidos de manter uma cooperação estreita com o Estado hebreu nos domínios militar, da segurança e da informação. (Arquivo)

A Casa Branca recorda o compromisso dos Estados Unidos de manter uma cooperação estreita com o Estado hebreu nos domínios militar, da segurança e da informação. (Arquivo)

© Jonathan Ernst / Reuters

"O Presidente está ansioso por trabalhar com o primeiro-ministro Netanyahu e o novo governo", disse o executivo norte-americano num breve comunicado, que não menciona qualquer conversa telefónica entre os dois homens, que têm relações extremamente tensas. 

Hoje, Netanyahu conseguiu formar um governo de coligação cujo centro de gravidade é deslocado mais para a direita do que no anterior, e que os palestinianos consideram um governo "para a guerra e contra a paz".

A Casa Branca recorda o compromisso dos Estados Unidos de manter uma cooperação estreita com o Estado hebreu nos domínios militar, da segurança e da informação.

"Queremos também continuar as conversações sobre uma série de questões regionais", acrescenta o comunicado, que menciona as negociações sobre o programa nuclear do Irão, bem como a importância das discussões com vista a uma solução com os palestinos, ponto que tem dado origem, nos últimos meses, a uma das piores crises entre os dois aliados.

Durante a campanha eleitoral, Netanyahu enterrou a ideia de um Estado palestiniano, provocando a ira da Casa Branca e, embora tenha depois suavizado as suas declarações, Washington deixou claro que o episódio deixara marcas.

Por seu lado, para os palestinianos, a coligação formada em Israel por Benjamin Netanyahu anuncia um Governo "de guerra".

Este é um governo que tem o objetivo "de matar e de (reforçar) a colonização" nos territórios ocupados, acusa Saëb Erakat, responsável negocial palestiniano, no que é acompanhado por Nabil Chaath, membro do Comité Central da Fatah, o partido do presidente Mahmoud Abbas, segundo o qual a coligação será um "governo de colonos".

Apesar de não ser usual, o seu rival islâmico do Hamas concorda nesta matéria, com Sami Abou Zouhri, porta-voz do Hamas em Gaza, a afirmar que "este Governo reflete o crescente racismo entre os israelitas".

Com dois partidos ultraortodoxos na coligação de Governo e o Ministério da Defesa nas mãos do partido de Benjamin Netanyahu (direita), há "muito pouca esperança de que o Governo decida que a paz é muito melhor do que a ocupação e o apartheid", disse Chaath.

O presidente palestiniano pediu ao Governo israelita para escolher "a paz ou a colonização e o caos", disse o seu porta-voz à agência noticiosa francesa AFP, após as autoridades israelitas terem dado luz verde à construção de 900 novas casas de colonos em Jerusalém Oriental, ocupada e anexada por Israel e que os palestinianos reivindicam como sua capital.

Lusa
  • Soldados israelitas denunciam violação das regras de combate em Gaza
    2:56

    Mundo

    Durante a guerra do verão passado, Israel atacou Gaza de forma indiscriminada e não respeitou a segurança e a protecção dos civis. É o que conclui o relatório de uma organização israelita de antigos militares, que recolhe testemunhos de soldados que participaram na ofensiva. A organização diz que as hierarquias militares violaram a lei internacional, provocando a morte a mais de 2 mil palestinianos, a maioria civis. Israel já prometeu uma investigação.

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.