sicnot

Perfil

Mundo

Tsipras e Putin discutiram por telefone questões energéticas

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, e o Presidente russo Vladimir Putin discutiram esta quinta-feira por telefone a cooperação energética entre os dois países e o prolongamento por território grego do gasoduto "Turkish Stream", indicou o gabinete do primeiro-ministro.  

Na deslocação de Tsipras a Moscovo no início de abril, Putin tinha já evocado a possibilidade de projetos comuns de infraestruturas. A construção de um gasoduto desde a Rússia até à fronteira grego-turca ainda permanece em projeto, sem a assinatura de qualquer contrato definitivo para o início dos trabalhos.

Na deslocação de Tsipras a Moscovo no início de abril, Putin tinha já evocado a possibilidade de projetos comuns de infraestruturas. A construção de um gasoduto desde a Rússia até à fronteira grego-turca ainda permanece em projeto, sem a assinatura de qualquer contrato definitivo para o início dos trabalhos.

Alexander Zemlianichenko / AP

Tsipras "repetiu que o Governo grego está pronto a participar através de uma empresa pública" na construção do gasoduto na Grécia, indica o comunicado.  

Por sua vez, o Presidente russo "exprimiu a sua intenção de apoiar um plano de financiamento da empresa grega que vai construir o gasoduto", cujo financiamento poderá "ser reembolsado pelas receitas dessa empresa". 

Segundo um comunicado do Kremlin, Putin "confirmou que a Rússia estava disposta a estudar a questão de um financiamento das empresas públicas ou privadas gregas que vão participar no projeto". 

Na deslocação de Tsipras a Moscovo no início de abril, Putin tinha já evocado a possibilidade de projetos comuns de infraestruturas. A construção de um gasoduto desde a Rússia até à fronteira grego-turca ainda permanece em projeto, sem a assinatura de qualquer contrato definitivo para o início dos trabalhos. 

Este gasoduto deve compensar o abandono do projeto "South Stream" em direção à União Europeia, interrompido pela Rússia devido ao bloqueio da Comissão Europeia. 

Em paralelo, o responsável norte-americano da Energia, Amos Hochstein, encontra-se sexta-feira com seu homólogo grego, Panayiotis Lafazanis, e com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Nikos Kotzias.  

O primeiro-ministro da Grécia deve regressar a Moscovo entre 18 e 20 de junho, no âmbito de um fórum económico. 

Ao contrário do que estava anunciado, Tsipras não vai comparecer nas celebrações dos 70 anos da vitória soviética sobre a Alemanha nazi, que decorrem sábado em Moscovo. A Grécia vai fazer-se representar nas cerimónias pela presidente do parlamento, Zoe Konstantopoulou, mas não está excluída a presença de um outro membro do governo. 
Lusa
  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.