sicnot

Perfil

Mundo

Tsipras e Putin discutiram por telefone questões energéticas

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, e o Presidente russo Vladimir Putin discutiram esta quinta-feira por telefone a cooperação energética entre os dois países e o prolongamento por território grego do gasoduto "Turkish Stream", indicou o gabinete do primeiro-ministro.  

Na deslocação de Tsipras a Moscovo no início de abril, Putin tinha já evocado a possibilidade de projetos comuns de infraestruturas. A construção de um gasoduto desde a Rússia até à fronteira grego-turca ainda permanece em projeto, sem a assinatura de qualquer contrato definitivo para o início dos trabalhos.

Na deslocação de Tsipras a Moscovo no início de abril, Putin tinha já evocado a possibilidade de projetos comuns de infraestruturas. A construção de um gasoduto desde a Rússia até à fronteira grego-turca ainda permanece em projeto, sem a assinatura de qualquer contrato definitivo para o início dos trabalhos.

Alexander Zemlianichenko / AP

Tsipras "repetiu que o Governo grego está pronto a participar através de uma empresa pública" na construção do gasoduto na Grécia, indica o comunicado.  

Por sua vez, o Presidente russo "exprimiu a sua intenção de apoiar um plano de financiamento da empresa grega que vai construir o gasoduto", cujo financiamento poderá "ser reembolsado pelas receitas dessa empresa". 

Segundo um comunicado do Kremlin, Putin "confirmou que a Rússia estava disposta a estudar a questão de um financiamento das empresas públicas ou privadas gregas que vão participar no projeto". 

Na deslocação de Tsipras a Moscovo no início de abril, Putin tinha já evocado a possibilidade de projetos comuns de infraestruturas. A construção de um gasoduto desde a Rússia até à fronteira grego-turca ainda permanece em projeto, sem a assinatura de qualquer contrato definitivo para o início dos trabalhos. 

Este gasoduto deve compensar o abandono do projeto "South Stream" em direção à União Europeia, interrompido pela Rússia devido ao bloqueio da Comissão Europeia. 

Em paralelo, o responsável norte-americano da Energia, Amos Hochstein, encontra-se sexta-feira com seu homólogo grego, Panayiotis Lafazanis, e com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Nikos Kotzias.  

O primeiro-ministro da Grécia deve regressar a Moscovo entre 18 e 20 de junho, no âmbito de um fórum económico. 

Ao contrário do que estava anunciado, Tsipras não vai comparecer nas celebrações dos 70 anos da vitória soviética sobre a Alemanha nazi, que decorrem sábado em Moscovo. A Grécia vai fazer-se representar nas cerimónias pela presidente do parlamento, Zoe Konstantopoulou, mas não está excluída a presença de um outro membro do governo. 
Lusa
  • Meryl Streep mais uma vez candidata a um Óscar

    Óscares 2017

    Aos 67 anos, Meryl Streep soma mais uma nomeação para aqueles que são os prémios mais cobiçados de Hollywood. A atriz foi nomeada pela interpretação em "Florence, Uma Diva Fora de Tom". Esta é vigésima vez que a Academia reconhece o trabalho da atriz, que já levou o Óscar para casa três vezes.

    Miguel Domingos

  • Polanski recusa presidir aos "César" por caso de violação em 1977
    1:55

    Cultura

    Roman Polanski já não vai presidir à cerimónia dos prémios César, o equivalente aos Óscares em França. A decisão de se afastar foi tomada esta terça-feira pelo próprio cineasta, na sequência da polémica em que se viu envolvido assim que foi convidado. Em 1977, Polanski foi acusado de ter violado uma adolescente de 13 anos, na Califórnia, declarando-se culpado. O realizador foi agora pressionado por associações feministas, redes sociais e pela ministra francesa dos direitos das mulheres. O diretor do Festival de Cannes Thierry Fremaux diz que falou com o realizador e acha que não é necessário "adicionar mais problemas ao problema".

  • Marcelo quer fazer mais e melhor
    0:48
  • "Andem lá com isso!"
    0:42
  • "A Miss Helsínquia é a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza"

    Mundo

    Sephora Lindsay Ikabala venceu o concurso Miss Helsínquia 2017 e, desde então, tem vindo a ser insultada e criticada nas redes sociais. A nigeriana de 19 anos vive na cidade desde criança. "A Miss Helsínquia é literalmente a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza", é apenas um dos muitos comentários que circula nas redes sociais.