sicnot

Perfil

Mundo

Nave espacial russa não tripulada deverá cair no oceano Pacífico esta sexta-feira

A nave espacial russa não tripulada, que está desgovernada a caminho da Terra, deverá reentrar na atmosfera nas próximas horas, mas não representa qualquer ameaça.

Os fragmentos que poderiam representar uma ameaça não vão chegar à Terra, porque antes vão desintegrar-se ao entrar na atmosfera. (Arquivo)

Os fragmentos que poderiam representar uma ameaça não vão chegar à Terra, porque antes vão desintegrar-se ao entrar na atmosfera. (Arquivo)

© MAXIM ZMEYEV / Reuters

De acordo com as previsões do comando norte-americano de Defesa Aeroespacial, a Progress vai cair nas águas do oceano Pacífico, perto da costa norte-americana.

Os fragmentos que poderiam representar uma ameaça não vão chegar à Terra, porque antes vão desintegrar-se ao entrar na atmosfera.

Na semana passada, os cientistas perderam o controlo da nave espacial russa não tripulada, que seguia em direção à Estação Espacial Internacional com mantimentos e equipamento.
  • Nave espacial russa está a cair de forma descontrolada em direção à Terra

    Mundo

    Uma nave espacial não tripulada que levava mantimentos para a Estação Espacial Internacional está a cair em direção à Terra, aparentemente de forma descontrolada, disse hoje uma fonte não identificada em declarações à agência AFP. A agência espacial russa, Roscosmos, já anunciou que a nave não vai conseguir acoplar à Estação Espacial Internacional (EEI).

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.