sicnot

Perfil

Mundo

Avião militar cai em Sevilha, Rajoy admite 8 a 10 mortos

Avião militar cai em Sevilha, Rajoy admite 8 a 10 mortos

Um avião militar de carga despenhou-se hoje em Sevilha, Espanha, pouco depois da descolagem, tendo o chefe de Governo espanhol, Mariano Rajoy, admitido a morte dos "8 a 10" tripulantes que seguiam a bordo do A400M.

"No avião viajavam oito a dez pessoas que terão falecido", disse Mariano Rajoy, citado pela agência de notícias espanhola EFE, durante um comício de campanha em La Laguna, o qual foi interrompido assim que o chefe do executivo espanhol foi informado do acidente aéreo.

 

Fontes citadas pela EFE referem que a empresa Airbus, que tem uma fábrica de montagem em San Pablo, utiliza o aeroporto da capital da Andaluzia para a realização de testes.

 

Segundo a EFE, o avião caiu a cerca de uma milha a norte do Aeroporto de Sevilha, adiantando que a Espanha não possui este modelo da Airbus, e que o mesmo foi apenas adquirido, até hoje, pela França, Inglaterra e Turquia.

 

Para o local foram enviados vários meios de socorro.

 

Segundo o jornal espanhol El País, apesar de o acidente aéreo ter ocorrido fora do perímetro do aeroporto de Sevilha, este foi encerrado ao tráfego aéreo.

 

A aeronave militar A400M é o maior propulsor do mundo e a sua produção industrial começou em 2011.

 

O projeto desta aeronave militar nasceu em 2003, após o acordo de sete países (Alemanha, França, Espanha, Reino Unido, Turquia, Bélgica e Luxemburgo), que concordaram em comprar 180 unidades.

 

O programa tinha previsto um investimento inicial de 20 mil milhões de euros, mas foi aumentado em 11 mil milhões pela quantidade de tecnologia que requer este modelo.

 

No caso da Espanha, acrescenta o El País, o Governo comprometeu-se a comprar 27 destes aviões.

 

A primeira entrega estava prevista para o início de 2016, com o objetivo de substituir os Hércules C-130, avião de transporte tático, ao serviço desde 1973.

 

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.