sicnot

Perfil

Mundo

Aliados dos rebeldes xiitas no Iémen aceitam proposta saudita de cessar-fogo

Os militares iemenitas aliados dos rebeldes xiitas 'huthis' afirmaram hoje ter aceitado o cessar-fogo humanitário proposto pela Arábia Saudita que lidera, à frente de uma coligação internacional, os ataques aéreos no país.

SIC

"Na sequência da mediação de países amigos com vista ao estabelecimento de uma trégua humanitária que irá acabar com o tirânico bloqueio, permitindo aos barcos alcançarem os portos iemenitas e possibilitando a entrada de ajuda humanitária, anunciamos concordar com o cessar-fogo", disse o porta-voz do exército iemenita leal aos rebeldes 'huthis', o coronel Sharaf Luqman, à agência noticiosa Saba, controlada pelo grupo xiita.

Contudo, os próprios rebeldes ainda não afirmaram se concordam com a proposta do ministro dos Negócios Estrangeiros saudita, Adel al-Jubeir, para um cessar-fogo humanitário de cinco dias, com início a partir de terça-feira, dia 12.

Adel al-Jubeir, ressalvou, porém, após a reunião em Paris, na sexta-feira, entre líderes da região do Golfo e o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, que o cessar-fogo só entraria em vigor se os rebeldes 'huthis' e os que apoiam as milícias assumissem o compromisso de respeitar a trégua.

Aviões da coligação internacional liderada pelos sauditas bombardearam hoje a residência do ex-presidente do Iémen Ali Abdallah Saleh, após uma noite de intensos raides contra posições rebeldes, indicaram testemunhas.

Dois ataques aéreos visaram a casa de Ali Abdallah Saleh no centro de Sanaa, segundo os relatos, embora se acredite que o antigo chefe de Estado se encontre atualmente fora da capital iemenita.


Lusa
  • Segurança da Academia de Alcochete avisado 10 minutos antes do ataque
    1:57
  • "Não acho que seja prudente" o regresso dos atletas à Academia do Sporting
    5:49

    Crise no Sporting

    As agressões aos jogadores e equipa técnica do Sporting, na Academia de Alcochete, foram o tema de uma entrevista a Ana Bispo Ramires, psicologa do desporto. Questionada sobre se os jogadores deveriam regressar ou não à academia, Ana Bispo Ramires diz que não devem fazê-lo e explica que é importante que haja medidas de atuação, o mais rápido possível, para que os atletas e restante equipa técnica do clube possam reprocessar, do ponto de vista cognitivo, as ameaças que sofreram. 

  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC