sicnot

Perfil

Mundo

Aliados dos rebeldes xiitas no Iémen aceitam proposta saudita de cessar-fogo

Os militares iemenitas aliados dos rebeldes xiitas 'huthis' afirmaram hoje ter aceitado o cessar-fogo humanitário proposto pela Arábia Saudita que lidera, à frente de uma coligação internacional, os ataques aéreos no país.

SIC

"Na sequência da mediação de países amigos com vista ao estabelecimento de uma trégua humanitária que irá acabar com o tirânico bloqueio, permitindo aos barcos alcançarem os portos iemenitas e possibilitando a entrada de ajuda humanitária, anunciamos concordar com o cessar-fogo", disse o porta-voz do exército iemenita leal aos rebeldes 'huthis', o coronel Sharaf Luqman, à agência noticiosa Saba, controlada pelo grupo xiita.

Contudo, os próprios rebeldes ainda não afirmaram se concordam com a proposta do ministro dos Negócios Estrangeiros saudita, Adel al-Jubeir, para um cessar-fogo humanitário de cinco dias, com início a partir de terça-feira, dia 12.

Adel al-Jubeir, ressalvou, porém, após a reunião em Paris, na sexta-feira, entre líderes da região do Golfo e o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, que o cessar-fogo só entraria em vigor se os rebeldes 'huthis' e os que apoiam as milícias assumissem o compromisso de respeitar a trégua.

Aviões da coligação internacional liderada pelos sauditas bombardearam hoje a residência do ex-presidente do Iémen Ali Abdallah Saleh, após uma noite de intensos raides contra posições rebeldes, indicaram testemunhas.

Dois ataques aéreos visaram a casa de Ali Abdallah Saleh no centro de Sanaa, segundo os relatos, embora se acredite que o antigo chefe de Estado se encontre atualmente fora da capital iemenita.


Lusa
  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.