sicnot

Perfil

Mundo

Polacos são chamados às urnas para eleger próximo presidente

As assembleias de voto abriram hoje às 07:00 (06:00 em Lisboa) na Polónia para a primeira volta das eleições presidenciais.

SIC

Cerca de 31 milhões de eleitores são chamados às urnas, que encerram às 21:00 (20:00 em Lisboa), para escolher o chefe de Estado, num escrutínio em que o atual presidente, o liberal Bronislaw Komorowski, é apontado como o grande favorito na corrida em que participam 11 candidatos.

Segundo as sondagens, Komorowski, da Plataforma Cívica -- no poder -- vai conquistar cerca de 40% dos votos, seguido do seu principal rival, o candidato do partido nacionalista conservador Lei e Justiça, Andrzej Duda, com aproximadamente 30%.

A confirmarem-se os resultados das sondagens nas urnas, a Polónia vai ter de realizar uma segunda volta, prevista para 24 de maio. 

Os boletins vão ser contados manualmente, depois da falha informática ocorrida durante eleições locais -- realizadas em novembro último -- que fez com que os resultados definitivos fossem divulgados quase uma semana depois do escrutínio.

Apesar de um sistema de contagem informatizado estar a ser aplicado paralelamente, os resultados finais vão ser decididos por via da contagem manual.

Segundo a comissão eleitoral polaca, as presidenciais contam com presença de quase uma centena de observadores internacionais.


Lusa
  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.