sicnot

Perfil

Mundo

França a favor de "repartição" dos refugiados pelos países da UE

França está a favor de uma "repartição" dos refugiados pelos países da União Europeia (UE), afirmou hoje o ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve, em reação às propostas que a Comissão Europeia vai apresentar na quarta-feira.

© Christian Hartmann / Reuters

"Penso que é normal haver uma repartição do número de candidatos a asilo entre os diferentes países da UE e que é normal a Europa ter uma política de asilo", disse o ministro à rádio RTL.

Cazeneuve falava sobre o plano de ação que o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, deve apresentar na quarta-feira.  

Segundo vários 'media', o plano de Juncker prevê nomeadamente a imposição aos países de quotas para o acolhimento de refugiados, uma proposta que visa corrigir as atuais grandes disparidades, mas que suscita divergências entre os Estados-membros.

A quota de refugiados de cada um dos 28 países membros seria calculada através de uma fórmula de redistribuição, baseada no Produto Interno Bruto (PIB), população, taxa de desemprego e número de refugiados já acolhidos.  

Atualmente, os migrantes são responsabilidade do país a que chegam, o que expõe especialmente os países mais próximos das rotas de imigração, como a Itália, Malta e Grécia, e a concessão de estatuto de refugiado apresenta grandes disparidades, com a Alemanha, Suécia, França e Itália a acolherem mais de 60% do total em 2014.

Segundo o ministro francês, as propostas de Juncker "inspiram-se parcialmente nas propostas apresentadas por França desde o verão" e vão no sentido correto, dada a necessidade de medidas "coerentes e fortes".

Cazeneuve sublinhou por outro lado a importância de continuar com as operações de salvamento no Mediterrâneo, através da agência europeia de patrulha de fronteiras Frontex, assim como "é fundamental trabalhar com os países de origem" dos imigrantes.

Lusa
  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.

  • Partido Podemos com votação inédita em Espanha
    1:32

    Mundo

    Há uma votação inédita em Espanha. O Podemos começou esta terça-feira a decidir a continuidade do líder do partido, depois de Pablo Iglesias e a companheira terem comprado uma casa de 600 mil euros.

  • 14 sacerdotes suspensos por abusos sexuais no Chile

    Mundo

    A diocese da cidade chilena de Rancagua anunciou na terça-feira a suspensão de 14 sacerdotes implicados num novo escândalo de abusos sexuais sobre jovens e menores. Todos eles pertenciam a um grupo de se autointitulou de "La Familia", segundo a investigação jornalística.