sicnot

Perfil

Mundo

França a favor de "repartição" dos refugiados pelos países da UE

França está a favor de uma "repartição" dos refugiados pelos países da União Europeia (UE), afirmou hoje o ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve, em reação às propostas que a Comissão Europeia vai apresentar na quarta-feira.

© Christian Hartmann / Reuters

"Penso que é normal haver uma repartição do número de candidatos a asilo entre os diferentes países da UE e que é normal a Europa ter uma política de asilo", disse o ministro à rádio RTL.

Cazeneuve falava sobre o plano de ação que o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, deve apresentar na quarta-feira.  

Segundo vários 'media', o plano de Juncker prevê nomeadamente a imposição aos países de quotas para o acolhimento de refugiados, uma proposta que visa corrigir as atuais grandes disparidades, mas que suscita divergências entre os Estados-membros.

A quota de refugiados de cada um dos 28 países membros seria calculada através de uma fórmula de redistribuição, baseada no Produto Interno Bruto (PIB), população, taxa de desemprego e número de refugiados já acolhidos.  

Atualmente, os migrantes são responsabilidade do país a que chegam, o que expõe especialmente os países mais próximos das rotas de imigração, como a Itália, Malta e Grécia, e a concessão de estatuto de refugiado apresenta grandes disparidades, com a Alemanha, Suécia, França e Itália a acolherem mais de 60% do total em 2014.

Segundo o ministro francês, as propostas de Juncker "inspiram-se parcialmente nas propostas apresentadas por França desde o verão" e vão no sentido correto, dada a necessidade de medidas "coerentes e fortes".

Cazeneuve sublinhou por outro lado a importância de continuar com as operações de salvamento no Mediterrâneo, através da agência europeia de patrulha de fronteiras Frontex, assim como "é fundamental trabalhar com os países de origem" dos imigrantes.

Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.