sicnot

Perfil

Mundo

NATO quer prolongar presença no Afeganistão

A NATO pretende prolongar a sua presença no Afeganistão, depois de concluir a atual missão para ajudar a assessorar as forças de segurança locais, informou o secretário-geral da Aliança, Jens Stoltenberg.

"Espero que decidamos manter a presença no Afeganistão, depois de terminar a atual missão, para treinar e assessorar e dar assistências às forças de segurança afegãs", disse o secretário-geral da Aliança, Jens Stoltenberg, referindo-se à reunião dos chefes de diplomacia dos membros da NATO, que vai decorrer quarta e quinta-feira em Antalya, Turquia. (Arquivo)

"Espero que decidamos manter a presença no Afeganistão, depois de terminar a atual missão, para treinar e assessorar e dar assistências às forças de segurança afegãs", disse o secretário-geral da Aliança, Jens Stoltenberg, referindo-se à reunião dos chefes de diplomacia dos membros da NATO, que vai decorrer quarta e quinta-feira em Antalya, Turquia. (Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

"Espero que decidamos manter a presença no Afeganistão, depois de terminar a atual missão, para treinar e assessorar e dar assistências às forças de segurança afegãs", disse, referindo-se à reunião dos chefes de diplomacia dos membros da NATO, que vai decorrer quarta e quinta-feira em Antalya, Turquia.

Segundo Jens Stoltenberg, em Antalya vai ser discutida a forma de reforçar a cooperação com o Afeganistão no futuro.

Para o secretário-geral da NATO, as Forças Armadas e a polícia do Afeganistão fizeram um "grande trabalho" desde que assumiram a responsabilidade pela segurança do país no início deste ano, mas "continuam a precisar de apoio".

A NATO concluiu em finais de 2014 a missão de combate no Afeganistão, quando entregou a responsabilidade por garantir a segurança do país às forças locais.

Em janeiro deste ano, a NATO começou uma nova missão, chamada "Apoio Decidido", para dar assistência, assessoria e formação às forças de segurança afegãs com a presença de cerca de 12 mil soldados.

Os Estados Unidos anunciaram em março que vai retardar a retirada das suas tropas do Afeganistão e que vai manter 9.800 militares até ao final do ano, em vez de reduzir o número para metade, como previa inicialmente.

Fontes da NATO indicaram que a nova etapa de presença do Afeganistão terá uma natureza civil e poderá contar com mais dois mil efetivos para 2016 ou 2017.

"Apesar de ter alguns aspetos de assessoria militar, não vai ser uma operação realmente militar, mas civil", disseram as mesmas fontes.
Lusa
  • O perfil do homicida de Barcelos
    2:42

    País

    Adelino Gomes Briote já tinha sido condenado por ofensas à integridade física da sogra e de uma filha. Em seis meses esta foi a segunda vez que o homem acusado do quádruplo homicídio em Barcelos esteve perante a justiça.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.

  • Milhares nas cerimónias fúnebres de dirigente do Hamas

    Mundo

    Milhares de palestinianos participaram nas cerimónias fúnebres de um dirigente do Hamas, assassinado esta sexta-feira, na Faixa de Gaza. Vários homens armados acompanharam o cortejo fúnebre até à mesquita, onde se fizeram as últimas orações.

  • Guerra na Síria não dá tréguas
    1:51

    Mundo

    Na Síria e ao mesmo tempo que decorrem novas negociações de paz, a guerra não dá tréguas. As imagens mostram o resultados dos últimos raides aéreos nos subúrbios de Damasco. O balanço provisório é de mais de 30 mortos e pelo menos 50 feridos.