sicnot

Perfil

Mundo

NATO quer prolongar presença no Afeganistão

A NATO pretende prolongar a sua presença no Afeganistão, depois de concluir a atual missão para ajudar a assessorar as forças de segurança locais, informou o secretário-geral da Aliança, Jens Stoltenberg.

"Espero que decidamos manter a presença no Afeganistão, depois de terminar a atual missão, para treinar e assessorar e dar assistências às forças de segurança afegãs", disse o secretário-geral da Aliança, Jens Stoltenberg, referindo-se à reunião dos chefes de diplomacia dos membros da NATO, que vai decorrer quarta e quinta-feira em Antalya, Turquia. (Arquivo)

"Espero que decidamos manter a presença no Afeganistão, depois de terminar a atual missão, para treinar e assessorar e dar assistências às forças de segurança afegãs", disse o secretário-geral da Aliança, Jens Stoltenberg, referindo-se à reunião dos chefes de diplomacia dos membros da NATO, que vai decorrer quarta e quinta-feira em Antalya, Turquia. (Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

"Espero que decidamos manter a presença no Afeganistão, depois de terminar a atual missão, para treinar e assessorar e dar assistências às forças de segurança afegãs", disse, referindo-se à reunião dos chefes de diplomacia dos membros da NATO, que vai decorrer quarta e quinta-feira em Antalya, Turquia.

Segundo Jens Stoltenberg, em Antalya vai ser discutida a forma de reforçar a cooperação com o Afeganistão no futuro.

Para o secretário-geral da NATO, as Forças Armadas e a polícia do Afeganistão fizeram um "grande trabalho" desde que assumiram a responsabilidade pela segurança do país no início deste ano, mas "continuam a precisar de apoio".

A NATO concluiu em finais de 2014 a missão de combate no Afeganistão, quando entregou a responsabilidade por garantir a segurança do país às forças locais.

Em janeiro deste ano, a NATO começou uma nova missão, chamada "Apoio Decidido", para dar assistência, assessoria e formação às forças de segurança afegãs com a presença de cerca de 12 mil soldados.

Os Estados Unidos anunciaram em março que vai retardar a retirada das suas tropas do Afeganistão e que vai manter 9.800 militares até ao final do ano, em vez de reduzir o número para metade, como previa inicialmente.

Fontes da NATO indicaram que a nova etapa de presença do Afeganistão terá uma natureza civil e poderá contar com mais dois mil efetivos para 2016 ou 2017.

"Apesar de ter alguns aspetos de assessoria militar, não vai ser uma operação realmente militar, mas civil", disseram as mesmas fontes.
Lusa
  • Governo recomenda retirada de livros polémicos da Porto Editora

    País

    A Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, "por orientação do ministro adjunto", recomendou hoje à Porto Editora a retirada do mercado dos blocos de atividades que fazem distinção entre rapazes e raparigas. O organismo considera que podem estar em causa a "diferenciação e desvalorização do papel das raparigas no espaço público e dos rapazes no espaço privado".

    Ricardo Rosa

  • Enfermeiros especialistas em saúde materna retomam protesto 

    País

    Os enfermeiros especialistas em saúde materna e obstetrícia voltam quinta-feira de manhã a interromper as funções especializadas, o que pode afetar blocos de parto e maternidades. Queixam-se de "falta de resposta política adequada" e "ausência de acordos sérios".

  • Cristas vaiada em bairro de Chelas
    1:44

    Autárquicas 2017

    Assunção Cristas promete mudanças na Gebalis, a empresa municipal que gere os bairros sociais em Lisboa. Esta manhã, a candidata do CDS à câmara visitou um bairro de Chelas, onde foi vaiada por alguns populares.

  • Prestação da casa aumenta pela primeira vez desde 2014
    1:17

    Economia

    Pela primeira vez em três anos, as taxas de juro do crédito à habitação, estão a subir. A subida é de apenas 1 euro, mas é a primeira desde 2014, depois de em maio deste ano ter estabilizado e em junho ter descido. A justificação para este aumento é a evolução das taxas euribor.

  • "Em vez de ajudarem, estavam a tirar fotos dela a morrer"
    1:13
  • Criança irrequieta domina noticiário britânico
    1:19