sicnot

Perfil

Mundo

Polícia brasileira constitui 30 arguidos em inquéritos sobre desvios de parlamentares na Petrobras

A Polícia Federal brasileira constituiu 30 arguidos em sete inquéritos sobre a participação de três ex-parlamentares do país dos desvios na petrolífera Petrobras investigados pela Operação Lava Jato.  

A Procuradoria-Geral da República informou, segundo a imprensa brasileira, que irá solicitar à Petrobras 157 milhões de reais (46 milhões de euros) referentes à devolução de dinheiro obtido em crimes de corrupção pelo ex-gerente da empresa Pedro Barusco. (Arquivo)

A Procuradoria-Geral da República informou, segundo a imprensa brasileira, que irá solicitar à Petrobras 157 milhões de reais (46 milhões de euros) referentes à devolução de dinheiro obtido em crimes de corrupção pelo ex-gerente da empresa Pedro Barusco. (Arquivo)

© Sergio Moraes / Reuters

A 11ª fase da operação, que resultou na prisão do ex-deputado André Vargas no dia 10 de abril, foi realizada para apurar crimes de fraude, branqueamento de capitais, corrupção e associação criminosa. 

Além de Vargas, expulso do Partido dos Trabalhadores (PT, de Dilma Rousseff) em dezembro de 2014, foram investigados os ex-deputados Luiz Argôlo (do Partido Solidariedade) e Pedro Corrêa (do Partido Progressista).

O ex-deputado do PT é um dos suspeitos constituídos como arguidos (chamados no Brasil de indiciados) nesse inquérito, segundo a imprensa brasileira.

O doleiro (que faz operações ilegais com a moeda norte-americana) Alberto Yousseff afirmou hoje que dois ex-ministros do Governo de Rousseff sabiam da corrupção na Petrobras, num depoimento prestado na Comissão Parlamentar de Inquérito da Câmara dos Deputados, que investiga o caso. 

Yousseff, que fez um acordo com as autoridades brasileiras para prestar informações em troca de uma possível redução de pena, citou os nomes do ex-ministro da secretaria-geral da Presidência Gilberto Carvalho, e das Relações Institucionais Ideli Salvati, e confirmou ter usado dinheiro da Petrobras nas campanhas políticas em 2010. Os ex-ministros negaram a participação no esquema. 

A Procuradoria-Geral da República informou, segundo a imprensa brasileira, que irá solicitar à Petrobras 157 milhões de reais (46 milhões de euros) referentes à devolução de dinheiro obtido em crimes de corrupção pelo ex-gerente da empresa Pedro Barusco. 

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.