sicnot

Perfil

Mundo

UE, EUA e Suíça pedem adiamento das eleições no Burundi

A União Europeia (UE), os Estados Unidos e a Suíça apelaram esta segunda-feira ao Governo do Burundi para adiar as eleições, quando o movimento de contestação a um terceiro mandato do presidente Pierre Nkurunziza já causou 19 mortos.

O Burundi, pequeno país da região africana dos Grandes Lagos, tem previstas para 26 de maio as eleições legislativas e municipais e para 26 de junho as presidenciais. (Arquivo)

O Burundi, pequeno país da região africana dos Grandes Lagos, tem previstas para 26 de maio as eleições legislativas e municipais e para 26 de junho as presidenciais. (Arquivo)

© Jean Pierre Harerimana / Reuters

"Encorajámos fortemente o governo burundiano a tomar medidas para apaziguar a situação e a ideia de um adiamento do calendário eleitoral seria para nós algo positivo", declarou o enviado especial da UE para a região, Koen Vervaeke, falando também em nome dos Estados Unidos e da Suíça durante uma reunião mensal entre os europeus e o governo do Burundi, à qual se juntaram excecionalmente os outros dois países.  

Durante a reunião, a Holanda e a Suíça anunciaram a suspensão da sua ajuda eleitoral ao Burundi, depois da Bélgica, ex-potência colonial do país, ter feito o mesmo anúncio.  

O Burundi, pequeno país da região africana dos Grandes Lagos, tem previstas para 26 de maio as eleições legislativas e municipais e para 26 de junho as presidenciais.   

Pierre Nkurunziza, eleito em 2005 e em 2010, é o candidato do seu partido, o CNDD-FDD, às presidenciais e as manifestações de protesto, proibidas pelo poder, começaram a 26 de abril, um dia depois da sua designação. 

Os opositores consideram um terceiro mandato anticonstitucional, mas o Tribunal Constitucional validou a candidatura de Nkurunziza. 

Desde o início do movimento de contestação, confrontos entre manifestantes, polícia e jovens do CNDD-FDD (os Imbonerakure, classificados como uma milícia pela ONU) causaram 19 mortos e, segundo as Nações Unidas, levaram mais de 50.000 burundianos a fugirem para países vizinhos. 

"As condições mínimas para se realizarem as eleições não estão reunidas, quer dizer a liberdade dos media, de manifestação pacífica", considerou Vervaeke. 

A comunidade da África de Leste (Burundi, Ruanda, Quénia, Tanzânia, Uganda) reúne-se numa cimeira extraordinária sobre a crise burundiana na quarta-feira em Dar es Salaam.
Lusa
  • Hoje joga Portugal (mas antes há um Uruguai-Rússia em direto na SIC)

    Mundial 2018 / O Mundial

    Começa a última jornada da fase de grupos do Mundial, com quatro jogos por dia. Às 15:00, numa partida transmitida em direto na SIC, a anfitriã Rússia e o Uruguai resolvem qual poderá ser o adversário de Portugal nos oitavos de final. Isto, dependendo claro da prestação da seleção nacional frente ao Irão, ao fim da tarde, uma vez que a qualificação não está garantida (e pode até depender do resultado do Espanha-Marrocos).

  • Gato reencontra dono 10 anos depois de ter desaparecido

    Mundo

    A Blue Cross recolheu no mês passado um gato que tinha sido dado como desaparecido em 2008, num altura em que o dono Mark Salisbury residia em Ipswich, Suffolk, no Reino Unido. Graças ao microchip de Harry, a associação britânica que se dedica à proteção animal, conseguiu localizar Salisbury, que agora vive em Gloucestershire.

  • "É a primeira vez que vai ser testado o programa do Nuno Crato"
    0:57

    País

    Os alunos do 11º e 12º anos de escolaridade fazem hoje o exame de matemática, uma das provas mais importantes no acesso à universidade e para a conclusão do ensino obrigatório. No final do secundário, são quase 50 mil os alunos que hoje fazem a prova que acarreta algumas alterações instituídas ainda pelo ex-ministro Nuno Crato, como explicou à SIC Notícias o diretor do Liceu Camões, em Lisboa.

  • "Isto é a demagogia à solta"
    0:45

    Opinião

    Quem o diz é Luís Marques Mendes a propósito da aprovação esta semana da lei do CDS-PP que elimina o adicional do imposto sobre os combustíveis. O comentador da SIC critica a oposição por ter levado a votação uma lei inconstitucional e acusa ainda os parceiros de Governo de deslealdade. 

    Luís Marques Mendes