sicnot

Perfil

Mundo

UE, EUA e Suíça pedem adiamento das eleições no Burundi

A União Europeia (UE), os Estados Unidos e a Suíça apelaram esta segunda-feira ao Governo do Burundi para adiar as eleições, quando o movimento de contestação a um terceiro mandato do presidente Pierre Nkurunziza já causou 19 mortos.

O Burundi, pequeno país da região africana dos Grandes Lagos, tem previstas para 26 de maio as eleições legislativas e municipais e para 26 de junho as presidenciais. (Arquivo)

O Burundi, pequeno país da região africana dos Grandes Lagos, tem previstas para 26 de maio as eleições legislativas e municipais e para 26 de junho as presidenciais. (Arquivo)

© Jean Pierre Harerimana / Reuters

"Encorajámos fortemente o governo burundiano a tomar medidas para apaziguar a situação e a ideia de um adiamento do calendário eleitoral seria para nós algo positivo", declarou o enviado especial da UE para a região, Koen Vervaeke, falando também em nome dos Estados Unidos e da Suíça durante uma reunião mensal entre os europeus e o governo do Burundi, à qual se juntaram excecionalmente os outros dois países.  

Durante a reunião, a Holanda e a Suíça anunciaram a suspensão da sua ajuda eleitoral ao Burundi, depois da Bélgica, ex-potência colonial do país, ter feito o mesmo anúncio.  

O Burundi, pequeno país da região africana dos Grandes Lagos, tem previstas para 26 de maio as eleições legislativas e municipais e para 26 de junho as presidenciais.   

Pierre Nkurunziza, eleito em 2005 e em 2010, é o candidato do seu partido, o CNDD-FDD, às presidenciais e as manifestações de protesto, proibidas pelo poder, começaram a 26 de abril, um dia depois da sua designação. 

Os opositores consideram um terceiro mandato anticonstitucional, mas o Tribunal Constitucional validou a candidatura de Nkurunziza. 

Desde o início do movimento de contestação, confrontos entre manifestantes, polícia e jovens do CNDD-FDD (os Imbonerakure, classificados como uma milícia pela ONU) causaram 19 mortos e, segundo as Nações Unidas, levaram mais de 50.000 burundianos a fugirem para países vizinhos. 

"As condições mínimas para se realizarem as eleições não estão reunidas, quer dizer a liberdade dos media, de manifestação pacífica", considerou Vervaeke. 

A comunidade da África de Leste (Burundi, Ruanda, Quénia, Tanzânia, Uganda) reúne-se numa cimeira extraordinária sobre a crise burundiana na quarta-feira em Dar es Salaam.
Lusa
  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC