sicnot

Perfil

Mundo

Extremista de direita planeou morte do príncipe Carlos porque queria um rei britânico ruivo

Um extremista de direita terá planeado o assassinato do príncipe Carlos de Inglaterra porque queria que o filho mais novo do príncipe herdeiro, Harry, assumisse o trono britânico, foi esta terça-feira divulgado durante uma audiência num tribunal em Londres. 

"Vou sacrificar a minha vida por este tiro. Matar [o príncipe] Carlos (na imagem, ao centro) e [o príncipe] William e [o príncipe] Harry torna-se rei. Matar os tiranos", escreveu o acusado, segundo o caderno de apontamentos apresentado na audiência. (Arquivo)

"Vou sacrificar a minha vida por este tiro. Matar [o príncipe] Carlos (na imagem, ao centro) e [o príncipe] William e [o príncipe] Harry torna-se rei. Matar os tiranos", escreveu o acusado, segundo o caderno de apontamentos apresentado na audiência. (Arquivo)

© John Sommers II / Reuters

O desejo de Mark Colborne, de 37 anos, terá uma motivação no mínimo peculiar: ter um rei com cabelo ruivo.

Detido em junho de 2014, Mark Colborne, que sempre se sentiu marginalizado por ser branco e por ter cabelo ruivo, foi acusado de preparar atos terroristas durante vários meses, enfrentando agora o julgamento. 

Num caderno de apontamentos apreendido pela polícia, Mark Colborne, natural de Southampton (sul de Inglaterra), terá escrito que queria matar "pessoas de cabelo escuro", segundo indicou a procuradora do Ministério Público Annabel Darlow, durante a audiência no tribunal londrino de Old Bailey.

De acordo com os mesmos apontamentos, o extremista terá afirmado que queria deixar de ser uma vítima de cabelo ruivo e transformar-se num terrorista militar.

Mark Colborne alegadamente afirmou que queria "meter uma bala na cabeça de Carlos".

"Vou sacrificar a minha vida por este tiro. Matar [o príncipe] Carlos e [o príncipe] William e [o príncipe] Harry torna-se rei. Matar os tiranos", escreveu o acusado, segundo o caderno de apontamentos apresentado na audiência.

Nos apontamentos, Colborne comparou-se a Anders Behring Breivik, o extremista de direita norueguês que foi o autor de um atentado à bomba contra a sede do Governo norueguês e de um tiroteio na ilha de Utoya, perto de Oslo, a 22 de julho de 2011.

Os dois ataques perpetrados por Breivik causaram 77 mortos, na maioria jovens que participavam num acampamento da Juventude Trabalhista, na ilha de Utoya.

Ainda nos apontamentos, citados pela procuradora, Colborne fez referência a um ódio racial contra os indivíduos que não pertencem à raça ariana, qualificando estas pessoas como "negros e caucasianos idiotas", bem como manifestou o seu desprezo pelo sistema vigente e pelos órgãos do Estado.

Também foi referido durante a audiência que Colborne comprou através da Internet os produtos químicos necessários para criar um veneno mortal, mas também outros produtos suspeitos.

"Um ataque terrorista em massa que vai chamar a atenção para a nossa dor, não só a minha, mas também dos meus irmãos em todo o mundo", referiu ainda o extremista no caderno de apontamentos, hoje apresentado na audiência.

Mark Colborne nega todas as acusações apresentadas contra ele.

O filho mais velho da rainha Isabel II de Inglaterra, o príncipe Carlos, é o herdeiro do trono britânico. O segundo nome na linha de sucessão à Coroa britânica é o príncipe William, seguido pelos seus dois filhos, George e a recém-nascida Charlotte.

O príncipe Harry é o quinto na linha de sucessão ao trono britânico.
Lusa
  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19

    Mundo

    O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos recebeu ao início da tarde na Noruega o prémio pelo trabalho que desenvolveu junto das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, FARC. As cerimónias são este sábado e marcadas pela ausência do Nobel da Literatura, Bob Dylan.

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.