sicnot

Perfil

Mundo

Forte sismo no Japão sem registo de danos

Um forte sismo de magnitude 6,8 na escala de Richter foi sentido na quarta-feira na costa nordeste do Japão, mas as autoridades não emitiram qualquer alerta de tsunami.

O sismo ocorreu ao largo da costa leste da ilha de Honshu no Oceano Pacífico a uma profundidade de 38,9 quilómetros.

O sismo ocorreu ao largo da costa leste da ilha de Honshu no Oceano Pacífico a uma profundidade de 38,9 quilómetros.

Google Maps

O sismo ocorreu às 6:12 de quarta-feira (21:12 de terça-feira em Lisboa) ao largo da costa leste da ilha de Honshu no Oceano Pacífico a uma profundidade de 38,9 quilómetros.

As autoridades não receberam relatos de danos provocados pelo sismo.

Os sismos são classificados segundo a sua magnitude como micro (menos de 2,0), muito pequeno (2,0-2,9), pequeno (3,0-3,9), ligeiro (4,0-4,9), moderado (5,0-5,9), forte (6,0-6,9), grande (7,0-7,9), importante (8,0-8,9), excecional (9,0-9,9) e extremo (superior a 10).
Lusa
  • Novo sismo de 5,7 sacode nordeste do Japão

    Mundo

    Um sismo com uma magnitude de 5,7 na escala de Richter foi registado hoje no nordeste do Japão, a mesma zona que horas antes foi sacudida por um abalo de 6,9.O Japão situa-se no chamado "Anel de Fogo", uma das zonas sísmicas mais ativas do mundo, pelo que é palco de terramotos com relativa frequência.A 11 de março de 2011, um sismo de magnitude 9 na escala de Richter seguido de um devastador tsunami deixou mais de 18.000 mortos e desaparecidos e danificou a central de Fukushima, naquele que foi o pior desastre nuclear desde Chernobil (Ucrânia), em 1986.

  • Acordo de concertação social assinado por todos os parceiros

    Economia

    Está assinado o acordo da Concertação Social que estipula a descida da TSU para as empresas como contrapartida do aumento do salário mínimo. Ao contrário do que é habitual, o momento não foi assinalado na sede do Conselho Económico e Social (CES), mas as assinaturas foram divulgadas no Twitter.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.