sicnot

Perfil

Mundo

Acordo de princípio entre Vaticano e palestinianos

O Vaticano e a Autoridade Palestiniana chegaram a um acordo de princípio sobre o estatuto e atividades da Igreja Católica nos territórios palestinianos, foi hoje anunciado em comunicado.  

© Giampiero Sposito / Reuters

"O acordo vai ser submetido às respetivas autoridades para aprovação, antes de ser escolhida uma data, em futuro próximo, para ser assinado", de acordo com o comunicado, divulgado após o fim de uma reunião de trabalho da comissão bilateral do Vaticano e dos palestinianos.  

A agência especializada I.Media indicou que o acordo poderá ser assinado a partir do fim de semana, durante a visita ao Vaticano do presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas, por ocasião da canonização no domingo de duas religiosas palestinianas. 

"As conversações decorreram num ambiente cordial e construtivo", garantiu o Vaticano, acrescentando que o acordo incide "sobre os aspetos essenciais da vida e da atividade da Igreja na Palestina". 

As duas partes assinaram um "acordo básico" a 15 de fevereiro de 2000.

O Vaticano usou pela primeira vez, em fevereiro de 2013, a expressão "Estado da Palestina", na sequência da admissão, em novembro de 2012, da Palestina como Estado observador da ONU. 

O acordo de princípio expressa o apoio do Vaticano a uma solução da "questão palestiniana e do conflito entre israelitas e palestinianas no quadro da fórmula de dois Estados", disse Antoine Camilleri, chefe da delegação do Vaticano, numa entrevista ao diário católico L'Osservatore Romano. 

Lusa
  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras