sicnot

Perfil

Mundo

Acusação defende que bombista do atentado em Boston merece morrer

O bombista do atentado na maratona de Boston, já condenado, Dzhokhar Tsarnaev, é um terrorista sem remorsos e merece morrer por ter assassinado norte-americanos inocentes em nome da política, disseram hoje os procuradores aos jurados no final do julgamento.

© Handout . / Reuters

O jovem de 21 anos foi considerado culpado, no mês passado, de ter organizado a 15 de abril de 2013 o duplo atentado, considerado o pior registado nos Estados Unidos desde os ataques levados a cabo pela Al-Qaida em 11 de setembro de 2001.

 O atentado de Boston provocou três mortos e 264 feridos em consequência do rebentamento de dois engenhos explosivos de fabrico artesanal, colocados junto à linha de chegada da prova da maratona.

A decisão dos 12 jurados foi unânime e anunciada após cerca de 11 horas de reunião.

O imigrante, de ascendência chechena, foi considerado culpado de 17 crimes, entre os quais o uso de arma de destruição em massa com a intenção de matar, assim como de assistir, planear e executar quatro pessoas, três das quais mortas no atentado. A quarta morte foi a de um agente da polícia atingido por tiros dias depois do atentado, durante uma perseguição.

Estas condenações deixam aos jurados duas opções: a pena de morte ou pena perpétua sem direito a liberdade condicional.

"As suas ações fizeram com que ganhasse uma sentença de morte", afirmou o procurador assistente Steve Mellin, dirigindo-se ao júri, na declaração final da acusação, enquanto Tsarnaev se mantinha imóvel, fitando a mesa à sua frente.

Steve Mellin citou uma mensagem que Tsarnaev escreveu, antes de ser preso, na qual este justifica os ataques com as guerras no Iraque e no Afeganistão.

"Sem remorso, sem perdão. Estas foram as palavras de um terrorista convencido que tinha feito o correto. Ele sentiu-se legitimado a matar, mutilar e ferir homens mulheres e crianças inocentes", afirmou.

A defesa, que deverá fazer as alegações finais ainda hoje, reconheceu que o seu cliente participou no atentado, mas que o instigador foi o seu irmão mais velho, Tamerlan, morto durante a perseguição policial ocorrida dias depois.







Lusa
  • Reclusos que fugiram de Caxias tiveram cúmplices
    1:59

    País

    Uma falha de Portugal poderá explicar a libertação de um dos dois chilenos que fugiram de Caxias e foram apanhados em Espanha. As autoridades portuguesas atrasaram-se a enviar o mandado de detenção e a polícia espanhola libertou o fugitivo. Na investigação da fuga, acredita-se que os 3 reclusos tiveram cúmplices e a namorada de um deles já foi interrogada.

  • Jovem indiano acorda a caminho do próprio funeral

    Mundo

    Um jovem indiano chocou os seus parente e amigos, depois de acordar no caminho para o seu próprio funeral. No mês antes, Kumar Marewad foi levado para o hospital após ser mordido por um cão de rua, ficando em estado grave.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.