sicnot

Perfil

Mundo

Estudo associa cor vermelha a agressividade, autoridade e domínio masculino

O uso de roupa vermelha transmite uma impressão de agressividade e autoridade e pode constituir uma vantagem no desporto, segundo um estudo publicado hoje na revista Biology Letters, da Royal Society britânica.

Na investigação, feita por cientistas dos departamentos de Antropologia e Psicologia da Universidade de Durham, no Reino Unido, é evidenciada uma correlação entre a cor vermelha e a ideia de dominação masculina, de testoterona.  

Para realizar este inquérito, os cientistas modificaram numericamente a cor da roupa masculina em 20 fotografias. Estes homens foram apresentados sucessivamente vestidos de vermelho, azul e cinzento. Cem observadores (50 homens e 50 mulheres) avaliaram posteriormente a agressividade, a autoridade e o estado emocional que extraiam do fotografado. 

Os homens apresentados com uma t-shirt vermelha foram considerados como "mais agressivos, "mais dominantes", "mais corajosos" e como tendo mais hipótese de ganhar uma competição. 

Os observadores atribuíram-lhes automaticamente traços de personalidade bem precisos. 

O vermelho foi considerado sinónimo de vermelho e cólera pelos observadores dos dois sexos. Mas apenas os homens consideraram esta cor como um sinal de domínio. 

O estudo revelou também que vestir cores cinzentas ou azuis não veicula nenhuma impressão de agressividade ou de autoridade. 

Os homens fotografados não são vistos como estando em estado de cólera. E isto tanto no caso dos observadores como das observadoras. 

Para os cientistas, os resultados mostram que existem associações surpreendentes entre o vestir roupa vermelha e a perceção social da pessoa. 

O vermelho parece enviar sinais específicos entre os humanos, desencadeando associações mentais, mesmo fora de qualquer contexto de competição. 

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC