sicnot

Perfil

Mundo

Juíza argentina decide onde vai morar Sandra

Uma juíza vai decidir esta semana o destino de Sandra, uma fêmea de orangotango do zoo de Buenos Aires, na Argentina, a quem o tribunal reconheceu o direito de viver em liberdade.

Em dezembro, um tribunal aplicou ao animal um recurso de 'habeas corpus' (direito de não estar detido sem julgamento), considerando que, mesmo não sendo um ser humano, tem sentimentos e o direito a maior liberdade. (Arquivo)

Em dezembro, um tribunal aplicou ao animal um recurso de 'habeas corpus' (direito de não estar detido sem julgamento), considerando que, mesmo não sendo um ser humano, tem sentimentos e o direito a maior liberdade. (Arquivo)

© Michaela Rehle / Reuters

Sandra, de 29 anos, reconhecida como "pessoa não humana" pelo Supremo Tribunal de Justiça da capital da Argentina, não foi convidada para as audiências, mas esteve representada pelo seu advogado, Andrès Gil Dominguez.

Em dezembro, um tribunal aplicou ao animal um recurso de 'habeas corpus' (direito de não estar detido sem julgamento), considerando que, mesmo não sendo um ser humano, tem sentimentos e o direito a maior liberdade.

Agora levanta-se a questão de onde Sandra irá viver, o que implica determinar se poderá viver em liberdade, ou em semiliberdade, depois de ter passado toda a vida num zoo. Para encontrar uma resposta adequada, a juíza Elena Liberatori irá ouvir especialistas internacionais.

O norte-americano Gary Shapiro, fundador da Fundação Orangotango e uma referência mundial na área, recomendou a realização de exames de saúde e alertou para o perigo de se impor uma mudança de ambiente a um espécime com mais de oito anos.

"Sandra está privada de liberdade e em sofrimento. Ela deve viver no seu habitat natural, num santuário. No zoo, é como se estivesse detida", argumentou o presidente da Associação dos funcionários e advogados para os direitos dos animais, Pablo Buompadre, que originou o processo judicial.

Esta Organização Não Governamental (ONG) foi reconhecida como representante legal de Sandra, como se esta se tratasse de um menor ou de uma pessoa sob tutela do Estado. A ONG defende a transferência de Sandra para fora da Argentina, num ambiente onde os orangotangos vivam em semiliberdade.

Sandra, nascida a 16 de fevereiro de 1986 no zoo de Rostock, na Alemanha, pesa 50 quilos e mede 1,50 metros. Esta fêmea de orangotango chegou a Buenos Aires em 1994. A esperança média de vida desta espécie é de 30 a 40 anos.

Antes do julgamento, o zoo de Buenos Aires estudou a possibilidade de transferir Sandra para um santuário natural, no Brasil ou nos Estados Unidos.
Lusa
  • Tribunal argentino diz que orangotango de zoo tem direito à liberdade
    1:36

    Mundo

    Um tribunal argentino decidiu que uma fêmea de orangotango que vive num jardim zoológico tem, em muitos aspectos, os mesmos direitos legais que os seres humanos e que deverá ser libertada. Os responsáveis pelo zoo discordam da decisão e dizem que o animal vive há 20 anos em cativeiro mas que é muito bem tratado e que "humanizar" algumas espécies é um erro que as pode prejudicar.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.