sicnot

Perfil

Mundo

ONU fala em situação "catastrófica" no Iémen

O perito em situações de emergência da ONU Dominique Burgeon advertiu que a situação no Iémen, onde uma trégua temporária permitiu esta quarta-feira às agências humanitárias começar a encaminhar ajuda, "é catastrófica", porque há "falta de tudo".

Com o cessar-fogo humanitário de cinco dias que hoje entrou em vigor, várias agências da ONU e outras organizações humanitárias iniciaram operações de emergência de auxílio às populações.

Com o cessar-fogo humanitário de cinco dias que hoje entrou em vigor, várias agências da ONU e outras organizações humanitárias iniciaram operações de emergência de auxílio às populações.

© Mohamed Al-Sayaghi / Reuters

Quase sete semanas de bombardeamentos aéreos da coligação árabe contra posições das milícias xiitas provocaram faltas graves de água potável e energia, combustível e material médico, além de fortes perturbações ao comércio, num país que é dependente da importação de alimentos, explicou à agência France Presse.

"A situação é muito grave e, neste momento, o país tem falta de tudo", disse Burgeon, diretor de situações de emergência na Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), sedeada em Roma. 

"O Iémen importa 90% dos alimentos que consome. Em determinados produtos, como o trigo, 95%" e, com o conflito armado em curso, "as importações estão praticamente paradas". 

A situação é agravada com a falta de combustível, que impede a distribuição dos poucos produtos disponíveis, e os graves danos infligidos ao setor agrícola, com sistemas de irrigação destruídos, escassez de sementes e propagação de doenças entre os animais.

Com o cessar-fogo humanitário de cinco dias que hoje entrou em vigor, várias agências da ONU e outras organizações humanitárias iniciaram operações de emergência de auxílio às populações, mas isso, segundo Burgeon, não vai ser suficiente.

Os alimentos encaminhados pela FAO, citou como exemplo, só vão chegar a cerca de 2,5 milhões de pessoas, de uma população total de 24 milhões.

"Há alguns meses, 12 milhões de iemenitas estavam em situação de insegurança alimentar severa. Atualmente esse número subiu para 14 a 15 milhões".

"Quando a fome se declara, já é demasiado tarde para muitas pessoas. É absolutamente importante agir agora, porque a situação é catastrófica", sublinhou, acrescentando que "é essencial que o comércio e as importações sejam retomados" através de "fundos da comunidade internacional".

A trégua, que entrou em vigor às 23:00 (21:00 em Lisboa) de terça-feira, é o primeiro cessar-fogo no conflito entre as milícias xiitas dos 'huthis', apoiadas pelo Irão, e as forças do presidente Abed Rabbo Mansur Hadi, apoiado por uma coligação militar árabe liderada pela Arábia Saudita desde 26 de março.

Segundo a ONU, mais de 1500 pessoas foram mortas desde o início da campanha aérea em consequência de bombardeamentos ou de confrontos entre as forças no terreno.
Lusa
  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.