sicnot

Perfil

Mundo

Taxas de fertilidade nos países da OCDE são "preocupantes"

As taxas de fertilidade nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) são "preocupantes", tendo caído em muitos países, especialmente em Portugal, com uma das mais baixas taxas do mundo. 

(REUTERS/ ARQUIVO)

A propósito do Dia Internacional da Família, que se assinala na sexta-feira, a OCDE (uma organização que junta 34 países, considerados dos mais desenvolvidos) publicou hoje os dados mais recentes sobre as tendências demográficas dos países membros (e mais seis países também considerados desenvolvidos). 

 
 

E os dados revelam "que as tendências demográficas a longo prazo são preocupantes, com as taxas de fertilidades a caírem em muitos países". Hoje as mulheres dos países da OCDE têm menos de dois filhos, 1,67 é a média, quando em 1995 a média era de 1,72 e em 1970 era de 2,76. 

 
 

A descida é geral mas mais grave em países como Portugal, Grécia, Coreia do Sul, Polónia, Eslováquia e Espanha, onde a média ronda os 1,3 filhos por mulher. 

 
 

Portugal passou de 2,83 filhos em 1970 para 1,41 em 1995 e 1,21 em 2013. Atrás de Portugal apenas a Coreia do Sul, com uma média de 1,21 filhos por mulher. 

 
 

De acordo com o portal estatístico GlobalStat, em 2010 Portugal, em conjunto com a Coreia do Sul, tinha a segunda taxa de fertilidade mais baixa do mundo, 1,32, só ultrapassado pela Bósnia Herzegovina e Singapura, ambos com 1,28. O Níger tinha a mais alta taxa, 7,58. 

 
 

Segundo os dados da OCDE, em 2013 era Israel que tinha uma mais alta taxa de fertilidade, 3,02 filhos por mulher, seguido da Índia (2,48) e da África do Sul (2,34). A França era o país da União Europeia com mais filhos por mulher, 1,98. 

 
 

A OCDE, num comunicado hoje divulgado, nota que que as taxas de fertilidade dependem de muitos fatores, dos sistemas fiscais às prestações sociais, da existência de creches às licenças de maternidade/paternidade. E diz que reformas feitas na década passada em muitos países, de apoio às famílias, não tiveram "um efeito significativo". 

 
 

A Coreia do Sul é o país no qual os pais que trabalham têm direito a mais dias por nascimento de filhos, com Portugal também acima da média da OCDE. No Japão e na Coreia do Sul a licença (com manutenção do ordenado) vai até um ano mas menos de cinco por cento dos pais a aproveitam (por um questão de cultura do trabalho).



Lusa

  • Encontrada criança britânica desaparecida na praia da Luz

    País

    Foi encontrada a criança britânica que estava desaparecida desde o início da tarde, avançaram as autoridades. A Polícia Marítima tinha sido informada do desaparecimento de um rapaz de 8 anos, de nacionalidade inglesa, tendo efetuado diligências nas proximidades da praia algarvia.

    Em atualização

  • Marcelo pede "serenidade e cabeça fria" no debate político
    1:29
  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.

  • Várias casas evacuadas devido a chuvas fortes na Alemanha
    0:54
  • Liberdade de movimento entre UE e Reino Unido termina em março de 2019

    Brexit

    A liberdade dos cidadãos europeus para viver e trabalhar no Reino Unido vai terminar, em março de 2019. O Governo britânico pediu esta quarta-feira um estudo de um ano sobre a migração europeia no país, de modo a ajudar no sistema de imigração que será implementado. A avaliação vai estar concluída em setembro, de 2018, seis meses antes da conclusão do Brexit.