sicnot

Perfil

Mundo

Malásia pede a Myanmar que pare de perseguir a minoria rohingya

O Governo malaio defendeu hoje que o sudeste asiático tem de enviar uma "mensagem muito forte" a Myanmar, para que cesse a opressão à minoria rohingya, que está a fugir do país, gerando receios de uma crise humanitária regional.

(Reuters/ Arquivo)

O vice-ministro do Interior do Governo da Malásia, Wan Junaidi Tuanku Jaafar, disse que o número crescente de refugiados no sudeste asiático era causado, em grande parte, pelo tratamento de Myanmar aos rohingya, uma minoria muçulmana que enfrenta discriminação e tem sido alvo de violência.

"Claro que há um problema com a forma como tratam os rohingya em Myanmar [antiga Birmânia]", disse Wan Junaidi à AFP.

"É por isso que temos de enviar uma mensagem muito forte a Myanmar de que tem de tratar as pessoas com humanidade. Têm de ser tratados como seres humanos e não podem ser tão opressivos", afirmou.

A Malásia disse esta semana que vai recusar os barcos que cheguem com imigrantes de Myanmar e do Bangladesh, a não ser que estejam em perigo iminente de naufrágio, seguindo a atitude tomada pela Indonésia.

Pelo menos 2.000 pessoas em barcos foram resgatadas, nadaram para terra ou tiveram de se ir embora, após terem chegado às costas da Malásia e Indonésia, desde o fim de semana passado.

Organizações de defesa dos direitos dos migrantes já alertaram que a rejeição dos barcos pode significar uma pena de morte para as pessoas que já enfrentam o risco de morrer à fome ou devido a doenças, após várias semanas no mar.

Acredita-se que milhares de pessoas estejam atualmente presas no mar ou abandonadas pelos traficantes.


Lusa
  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Hotel inovador na Madeira
    2:23

    Economia

    O grupo Pestana está a construir no Funchal, um novo e único hotel, através de uma técnica inovadora que quase não utiliza cimento. Este vai ser o primeiro hotel do mundo construído com um sistema modular desenvolvido em Portugal. O hotel vai ter 77 quartos e vai ficar construído em apenas seis meses. O maior grupo hoteleiro português admite recorrer a este novo sistema em futuros hotéis.

  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.