sicnot

Perfil

Mundo

Sobe para nove o número de mortos no ataque a uma hospedaria em Cabul

Pelo menos nove pessoas, incluindo dois indianos e um norte-americano, morreram num ataque a uma hospedaria em Cabul, reivindicado pelos talibãs.

© Omar Sobhani / Reuters

O ataque, que começou na quarta-feira à noite, durou várias horas, e decorreu na 'guesthouse' Park Palace, no centro da capital afegã.

"Morreram nove pessoas, incluindo estrangeiros, afegãos e um atacante, e outras seis pessoas focaram feridas, entre elas polícias e guardas da hospedaria", disse à Efe o chefe do departamento de Emergência do Ministério do Interior, Homayoon Aini.

As autoridades não revelaram as nacionalidades dos estrangeiros, mas a embaixada dos Estados Unidos em Cabul confirmou que um era norte-americano e o embaixador da Índia escreveu no Twitter que se registaram "algumas vítimas indianas" - a imprensa indiana escreve hoje que entre os mortos há, pelo menos, dois indianos.

O ataque foi reivindicado pelos talibãs que publicaram um comunicado onde explicaram que se tratou de "uma missão suicida levada a cabo por um dos nossos 'mujaheddin' de Logar". 

"O ataque foi planeado cuidadosamente para atingir a festa onde pessoas importantes e norte-americanos iam comparecer", disseram os militantes.


  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.