sicnot

Perfil

Mundo

Três mortos e 865 detidos em mega operação policial na Venezuela

Três mortos e 865 detidas é o balanço provisório da operação policial contra a insegurança nos bairros venezuelanos de San Vicente e El Viñedo, da cidade de Maracay, 100 quilómetros a oeste de Caracas.

Brigada da polícia venezuelana.

Brigada da polícia venezuelana.

© Christian Veron / Reuters

A operação decorreu na quarta-feira com a participação de mais de 2.000 elementos do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas, da Polícia de Arágua e da 42.º Brigada de Infantaria de Paraquedistas.

Segundo fontes policiais, a operação incluiu, várias rusgas e teve lugar na sequência de denúncias da comunidade local e de suspeitas de que, naqueles sítios, residiam os autores de uma série de atentados com explosivos contra as instalações da polícia nas localidades venezuelanas de Villa de Cura e Turmero, ambas a oeste de Caracas.

Os detidos são ainda suspeitos de estarem envolvidos em casos de homicídio, roubo e tráfico ilícito de substâncias estupefacientes e psicotrópicas.

Durante as rusgas, quatro indivíduos foram detidos em flagrante com vários tipos de droga e foram verificados os números de série e os documentos de propriedade de 60 motociclos.

Na Venezuela a insegurança é apontada como uma das principais preocupações dos cidadãos, afetando por igual tanto a cidadãos nacionais como a estrangeiros radicados no país.

Lusa
  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.