sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 50 mortos em ataques a três aldeias da Nigéria atribuídos ao Boko Haram

Pelo menos 55 pessoas morreram esta semana em dois ataques a aldeias na Nigéria, atribuídos ao grupo extremista Boko Haram, afirmou esta sexta-feira fonte governamental, citada pela AFP.

Pelo menos três soldados, seis vigilantes e dezenas de insurgentes do Boko Haram foram mortos durante os confrontos da quarta-feira à noite em Maiduguri, onde as autoridades dizem que os extremistas "foram esmagados pelas tropas". (Arquivo)

Pelo menos três soldados, seis vigilantes e dezenas de insurgentes do Boko Haram foram mortos durante os confrontos da quarta-feira à noite em Maiduguri, onde as autoridades dizem que os extremistas "foram esmagados pelas tropas". (Arquivo)

© Stringer . / Reuters

"Combatentes do Boko Haram atacaram aldeias de Bale e Kayamla onde mataram pelo menos 55 pessoas e queimaram várias casas depois de saqueá-las, antes de prosseguirem para arredores de Maiduguri, onde foram esmagados pelas tropas", disse um oficial vigilante, Abacha Zinnari.

De acordo com Abacha Zinnari, os supostos membros do Boko Haram "mataram 30 pessoas em Kayamla e outras 25 em Bale", aldeia que "está de luto", desde o ataque da quinta-feira. 

Os homens armados, que eventualmente pertencem à organização, "queimaram cerca de 50 casas e saquearam lojas de alimentos e gado", acrescentou. 

Um residente de Kayamla, Musa Kumbo, disse que pelo menos 30 pessoas foram mortas no ataque Boko Haram na sua aldeia e assentamentos circundantes.

 Musa Kumbo disse que os populares da região terão ouvido gritos dos homens armados a afirmarem que "iriam voltar e terminar a sua operação".

As mesmas fontes garantem que pelo menos três soldados, seis vigilantes e dezenas de insurgentes do Boko Haram foram mortos durante os confrontos da quarta-feira à noite em Maiduguri, onde as autoridades dizem que os extremistas "foram esmagados pelas tropas". 

Há três semanas, um outro ataque a um mercado de uma localidade nigeriana perto de Maiduguri, no nordeste do país, atribuído ao Boko Haram, causou quatro mortos. 
  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.