sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 50 mortos em ataques a três aldeias da Nigéria atribuídos ao Boko Haram

Pelo menos 55 pessoas morreram esta semana em dois ataques a aldeias na Nigéria, atribuídos ao grupo extremista Boko Haram, afirmou esta sexta-feira fonte governamental, citada pela AFP.

Pelo menos três soldados, seis vigilantes e dezenas de insurgentes do Boko Haram foram mortos durante os confrontos da quarta-feira à noite em Maiduguri, onde as autoridades dizem que os extremistas "foram esmagados pelas tropas". (Arquivo)

Pelo menos três soldados, seis vigilantes e dezenas de insurgentes do Boko Haram foram mortos durante os confrontos da quarta-feira à noite em Maiduguri, onde as autoridades dizem que os extremistas "foram esmagados pelas tropas". (Arquivo)

© Stringer . / Reuters

"Combatentes do Boko Haram atacaram aldeias de Bale e Kayamla onde mataram pelo menos 55 pessoas e queimaram várias casas depois de saqueá-las, antes de prosseguirem para arredores de Maiduguri, onde foram esmagados pelas tropas", disse um oficial vigilante, Abacha Zinnari.

De acordo com Abacha Zinnari, os supostos membros do Boko Haram "mataram 30 pessoas em Kayamla e outras 25 em Bale", aldeia que "está de luto", desde o ataque da quinta-feira. 

Os homens armados, que eventualmente pertencem à organização, "queimaram cerca de 50 casas e saquearam lojas de alimentos e gado", acrescentou. 

Um residente de Kayamla, Musa Kumbo, disse que pelo menos 30 pessoas foram mortas no ataque Boko Haram na sua aldeia e assentamentos circundantes.

 Musa Kumbo disse que os populares da região terão ouvido gritos dos homens armados a afirmarem que "iriam voltar e terminar a sua operação".

As mesmas fontes garantem que pelo menos três soldados, seis vigilantes e dezenas de insurgentes do Boko Haram foram mortos durante os confrontos da quarta-feira à noite em Maiduguri, onde as autoridades dizem que os extremistas "foram esmagados pelas tropas". 

Há três semanas, um outro ataque a um mercado de uma localidade nigeriana perto de Maiduguri, no nordeste do país, atribuído ao Boko Haram, causou quatro mortos. 
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.