sicnot

Perfil

Mundo

Ataques aéreos do regime sírio matam 48 civis

Pelo menos 48 civis, entre os quais nove crianças, morreram hoje em ataques aéreos do regime na província de Idleb, no noroeste da Síria, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

© Stringer . / Reuters

"Ataques aéreos realizados por aviões do regime sobre as cidades de Idleb (capital da província com o mesmo nome), Saqareb e Kafr Awid", todas sob controlo de rebeldes e de 'jihadistas' que combatem o exército de Bashar al-Assad, causaram 48 mortos e dezenas de feridos, segundo o OSDH.

A guerra na Síria, que começou em 2011, já causou mais de 220.000 mortos.

Na sexta-feira, o presidente norte-americano, Barack Obama, disse que a guerra na Síria não deverá terminar antes de concluir o seu mandato em 2017 e reafirmou não acreditar numa "solução militar" para o conflito.








Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.