sicnot

Perfil

Mundo

Presidente regressa ao Burundi após golpe de Estado falhado

De regresso à capital do Burundi, o Presidente do país fez uma declaração oficial na televisão e na rádio estatais.

© Stringer . / Reuters

O Chefe de Estado voltou depois de uma tentativa falhada de golpe de Estado.

Na comunicação ao país, o Presidente do Burundi garantiu que a paz e a normalidade regressaram às ruas da capital, onde se multiplicam protestos, há várias semanas.

Os manifestantes são contra a candidatura do presidente a um terceiro mandato, quando a lei permite apenas dois.

Ontem foram detidos 3 generais, mas a presidência confirma que continua em fuga o líder do golpe de estado.



Países dos Grandes Lagos  preocupados com crise humanitária no Burundi

O chefe da diplomacia angolana, país que lidera a Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos (CIRGL), disse hoje que a situação de "segurança e humanitária" no Burundi constitui a nova preocupação daquele organismo.

De acordo com o ministro Georges Chikoti, que falava em Luanda no arranque da reunião dos chefes da Diplomacia da CIRGL, as últimas informações sobre aquele país apontam que "os golpistas foram vencidos pelas forças do Presidente Nkurunziza", que também "já voltou para o Burundi".

Acrescentou que a situação no Burundi estará no topo da agenda da cimeira - que estes ministros estão a preparar - dos chefes de Estado e de Governo da CIRGL, agendada para segunda-feira, também em Luanda.

"Milhares de pessoas inocentes deixaram as suas zonas de origem, os seus haveres, e procuram refúgio em zonas mais seguras, em alguns dos nossos países, passando à condição de deslocados internos ou refugiados, passando por vicissitudes de toda a ordem, como a fome, doenças e traumas difíceis de serem superados", disse o ministro angolano, na abertura desta reunião.

Horas antes, Georges Chikoti reuniu-se com outros governantes africanos, manifestando agora a convicção, geral, de que o Burundi pode manter o calendário eleitoral, assunto que esteve na génese do golpe de Estado, falhado, de há dois dias.

"Então, espera-se que ele [Presidente Nkurunziza, que regressou ao Burundi] reponha a ordem e depois ver como é que o processo vai decorrer depois disto. Mas acha-se que ele poderá realizar as eleições dentro do período do seu mandato, que vai entre agora e agosto deste ano", disse aos jornalistas o ministro Georges Chikoti.

As tropas leais ao Presidente do Burundi detiveram hoje de manhã pelo menos três líderes do golpe de Estado falhado contra o chefe de Estado Pierre Nkurunziza.

Os chefes da diplomacia dos 12 países que integram a CIRGL estão hoje reunidos em Luanda para preparar a Cimeira de chefes de Estado e de Governo da mesma organização, ainda com os conflitos no Sudão do Sul e na República Centro-Africana.

O Burundi vive uma crise política iniciada pela designação do atual presidente como candidato a um terceiro mandato a 26 de abril.

Os opositores consideram um terceiro mandato anticonstitucional, mas o tribunal que fiscaliza a aplicação da lei fundamental deu razão ao campo governamental. O argumento é que o primeiro mandato do presidente, iniciado em 2005, não conta dado ele ter sido escolhido pelo parlamento e não por sufrágio direto como em 2010.

Mais de 25 pessoas foram mortas em confrontos devido à contestação e muitas mais ficaram feridas.

As eleições presidenciais no Burundi estão marcadas para 26 de junho, exatamente um mês depois de legislativas e municipais.

Também mais de 100.000 burundianos fugiram para os países vizinhos desde o início da violência pré-eleitoral em abril, anunciou hoje a ONU, dois dias depois de uma tentativa de golpe de Estado no país.

Angola preside há um ano à CIRGL, organização que integra, além do Burundi, a República do Congo, Quénia, República Centro Africana, República Democrática do Congo, Ruanda, Sudão, Sudão do Sul, Tanzânia, Uganda e Zâmbia.


Com Lusa


  • Noite de violência no Burundi, Presidente apela à calma

    Mundo

    O Presidente do Burundi continua na capital económica da Tanzânia, num local secreto. Numa comunicação breve no site da presidência e no Twitter, o chefe de Estado apelou à calma da população. A situação em Bujumbura está mais tranquila, mas às primeiras horas  do dia ainda se ouviam tiros na capital. Durante a noite, as rádios privadas e a principal televisão independente do Burundi foram alvo de ataques de apoiantes do Presidente. 

  • Três militantes morreram após tentativa de golpe de Estado no Burundi
    1:28

    Mundo

    Pelo menos três militantes morreram esta quinta-feira, em confrontos na capital do Burundi. O país africano foi alvo de um golpe de Estado na quarta-feira, mas mais de 24 horas depois do anúncio da destituição do Presidente, por parte das forças da oposição, continua a não ser claro quem detém o poder. A situação é cada vez mais preocupante.

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Caso que está a gerar tensão entre Angola e Portugal chega a tribunal 2ª.feira
    1:32

    País

    O julgamento da Operação Fizz começa esta segunda feira numa altura em que o tribunal da Relação ainda não decidiu se aceita o pedido de Luanda para que Manuel Vicente seja julgado em Angola. O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa foi arrolado pelo tribunal como testemunha e já respondeu por escrito. O processo será julgado no tribunal da comarca de Lisboa pelo coletivo de juízes formado por Alfredo Costa, Helena Pinto e Ana Guerreiro da Silva, estando o Ministério Público representado pelo procurador José Góis.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42
  • Dissonâncias entre EUA e Europa "podem ser ultrapassadas"
    1:04

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros reconhece que há sinais manifestos de dissonância na política externa da Europa e dos Estados Unidos da América. No dia em que Donald Trump completa um ano na Casa Branca, Augusto Santos Silva diz que acredita, no entanto, que essas divergências podem ser ultrapassadas.

  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.