sicnot

Perfil

Mundo

Três juízes egípcios mortos a tiro no norte do Sinai

Um grupo de homens armados matou hoje três juízes egípcios e feriu outros dois na província do Norte-Sinai, palco frequente de atentados' jihadistas' que visam as forças de segurança, disseram à AFP fontes policiais e hospitalares.

© Mohamed Abd El Ghany / Reuter

O ataque aconteceu poucas horas depois de ser conhecida a sentença de condenação à morte do presidente islamita Mohamed Morsi, que foi deposto pelo exército em julho de 2013.

Os grupos 'jihadistas', que reivindicam normalmente os atentados contra as forças da ordem, dizem atuar como represália contra a sangrenta repressão dos partidários de Morsi, após a sua destituição, e que já provocou mais de 1.400 mortos.

O ataque aconteceu na capital do Norte-Sinai, Al-Arich, quando os atiradores abriram fogo contra o veículo onde seguiam seis juízes, vindos da cidade de Ismaília, perto do canal de Suez, para presidir a audiências em Al-Arich, segundo um responsável da polícia.

Morsi foi hoje condenado à morte na primeira instância, com mais uma centena de acusados, devido às fugas da prisão e atos de violência durante a revolta popular de 2011 contra Hosni Mubarak.

Alguns dos condenados pertencem a movimentos 'jihadistas' com base no Sinai.

O ministro egípcio do Interior decretou o estado de alerta reforçado no país, suspendendo as férias dos polícias até nova ordem.

O Norte-Sinai, no leste do Egito, é o bastião do grupo 'jihadista' Ansar Beit al-Maqdiss que se rebatizou "Província do Sinai" para provar a sua lealdade ao "califado" autoproclamado pelo grupo Estado Islâmico e que abrange parte do Iraque e da Síria.







Lusa
  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.