sicnot

Perfil

Mundo

Três juízes egípcios mortos a tiro no norte do Sinai

Um grupo de homens armados matou hoje três juízes egípcios e feriu outros dois na província do Norte-Sinai, palco frequente de atentados' jihadistas' que visam as forças de segurança, disseram à AFP fontes policiais e hospitalares.

© Mohamed Abd El Ghany / Reuter

O ataque aconteceu poucas horas depois de ser conhecida a sentença de condenação à morte do presidente islamita Mohamed Morsi, que foi deposto pelo exército em julho de 2013.

Os grupos 'jihadistas', que reivindicam normalmente os atentados contra as forças da ordem, dizem atuar como represália contra a sangrenta repressão dos partidários de Morsi, após a sua destituição, e que já provocou mais de 1.400 mortos.

O ataque aconteceu na capital do Norte-Sinai, Al-Arich, quando os atiradores abriram fogo contra o veículo onde seguiam seis juízes, vindos da cidade de Ismaília, perto do canal de Suez, para presidir a audiências em Al-Arich, segundo um responsável da polícia.

Morsi foi hoje condenado à morte na primeira instância, com mais uma centena de acusados, devido às fugas da prisão e atos de violência durante a revolta popular de 2011 contra Hosni Mubarak.

Alguns dos condenados pertencem a movimentos 'jihadistas' com base no Sinai.

O ministro egípcio do Interior decretou o estado de alerta reforçado no país, suspendendo as férias dos polícias até nova ordem.

O Norte-Sinai, no leste do Egito, é o bastião do grupo 'jihadista' Ansar Beit al-Maqdiss que se rebatizou "Província do Sinai" para provar a sua lealdade ao "califado" autoproclamado pelo grupo Estado Islâmico e que abrange parte do Iraque e da Síria.







Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.