sicnot

Perfil

Mundo

23 países europeus exigem esterilização para transexuais mudarem de identidade

Vinte e três países europeus, entre eles a França, a Noruega ou a Suíça, exigem a esterilização das pessoas transexuais antes de aceitarem a mudança de identidade no documento de identificação, revela um relatório da organização 'Transgender Europe'.

© Damir Sagolj / Reuters

De acordo com a 'Transgender Europe', existe uma "severa falta de proteção e de reconhecimento das pessoas transexuais por toda a Europa", havendo 23 países que exigem uma prova de esterilização para autorizarem a mudança de identidade no documento de identificação.

Segundo esta organização, o grupo inclui países como a França, a Noruega, Suíça, Itália, Bélgica, Finlândia, Rússia, Ucrânia, Grécia, Turquia ou o Azerbaijão. Em Portugal essa prova foi exigida até 2011.

A 'Transgender Europe' diz que apenas dois países, Malta e Dinamarca, não exigem um diagnóstico de saúde mental.

Por outro lado, na Irlanda, Hungria, Sérvia, Kosovo, República da Macedónia, Albânia, Moldávia, Andorra, Mónaco, São Marino, Liechtenstein e Arménia não é reconhecido o direito à mudança de identidade.

No total, dos 51 Estados europeus independentes, 37 reconhecem legalmente a identidade de género das pessoas transexuais, ou seja, as pessoas que não se identificam com o género com que nasceram.

"Legislação relativa a não-discriminação, crimes de ódio e asilo, por motivos de identidade de género, estão largamente ausentes. No entanto, há uma nota positiva e, no último ano, sete Estados introduziram proteção especificamente contra a discriminação", diz a organização.

Ainda assim, apenas um terço dos Estados (13) na Europa protege claramente as pessoas transexuais contra crimes de ódio e a 'Transgender Europe' revela que, nos últimos sete anos, foram relatadas 94 mortes em 14 países europeus.

A análise feita a Portugal mostra que o país cumpre 15 requisitos dos 22 avaliados, nomeadamente ao nível da mudança de nome ou mudança de género nos documentos de identificação, sendo um dos países que não autoriza intervenções médicas sem o consentimento da pessoa visada ou práticas de esterilização e que tem legislação específica contra crimes ou discursos de ódio.

Entretanto, o secretário-geral do Conselho da Europa, Thorbjorn Jagland, veio defender que é urgente parar com a violência e o ódio contra pessoas lésbicas, gays, bissexuais ou transexuais, sublinhando que os países europeus "conseguiram fazer progressos significativos nas últimas décadas" e que não podem agora correr o risco de retroceder.

"Temos de colocar em prática fortes molduras políticas e legais, dar formação e garantir que as vítimas estão conscientes dos seus direitos. Estes não são direitos especiais, mas sim direitos universais garantidos a todos ao abrigo da Convenção Europeia dos Direitos Humanos", disse o responsável, em comunicado.

A 17 de maio assinala-se o Dia Internacional de Luta Contra a Homofobia e a Transfobia, data escolhida por ter sido a 17 de maio de 1990 que a Organização Mundial de Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da lista de doenças mentais.
  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59