sicnot

Perfil

Mundo

Autoridades do Egito enforcam seis pessoas acusadas de terrorismo

As autoridades do Egito enforcaram hoje seis pessoas condenadas por atacar soldados e polícias e por pertencer ao grupo 'jihadista' Ansar Beit, agora chamado Wilaya Sina.

© Asmaa Waguih / Reuters

A aplicação da condenação realizou-se hoje às 05:00 locais (04:00 em Lisboa), depois de um tribunal militar ter decretado a pena capital contra as seis pessoas em outubro do ano passado, segundo informa a agência oficial egípcia Mena.

Os executados foram condenados por assassinar dois oficiais da zona de Arab Sherkes e por atacar um autocarro com soldados, bem como um posto de segurança em Mostorod, acontecimentos que remontam a 2013 e 2014.

O grupo Ansar Beit al-Maqdis, que mudou o seu nome para Wilaya Sina quando jurou lealdade ao autodenominado grupo 'jihadista' Estado Islâmico em finais do ano passado, tem reivindicado os principais atentados cometidos no Egito nos últimos anos.

No sábado, o ex-presidente do Egito Mohamed Morsi e cerca de uma centena de dirigentes da Irmandade Muçulmana foram condenados à morte, devido às fugas da prisão durante a revolta de 2011.

A pena capital está sujeita a um parecer não vinculativo do 'mufti' (jurista que interpreta a lei islâmica) do Egito, antes de ser confirmada ou revogada.

Morsi já tinha sido condenado a 20 anos de prisão, há três semanas, num primeiro processo relacionado com atos de violência.

  • Dois jovens atropelados mortalmente no concelho de Montemor-o-Velho
    2:20
  • Presidente de "O Sonho" suspeito de peculato e fraude
    2:26

    País

    O presidente das três instituições de solidariedade social de Setúbal - incluindo "O Sonho" -, que na sexta-feira foram alvo de buscas, foi constituído arguido. Florival Cardoso é, por enquanto, o único suspeito de peculato e fraude na obtenção de subsídios para as instituições.

  • Manifestação contra mina de urânio junta milhares em Salamanca
    1:39
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de armas da PSP, três recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avançou este sábado que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • Cessar-fogo de 30 dias na Síria
    2:07