sicnot

Perfil

Mundo

Milhares de defensores dos direitos dos homossexuais manifestaram-se no Chile

 Milhares de pessoas, muitas delas com bandeiras arco-íris, manifestaram-se no sábado pela defesa e reconhecimento de direitos aos homossexuais em Santiago do Chile.

Sebastian Castaneda

Os organizadores estimaram uma participação de cerca de 50 mil pessoas na "Marcha pela Igualdade", na baixa da capital chilena, em antecipação ao Dia Internacional contra a Homofobia, que é hoje assinalado. 

"É importante deixar claro que o governo chileno precisa urgentemente de reconhecer os direitos da comunidade transexual, que é a mais vulnerável", disse um porta-voz do Movimento para a Integração e Libertação Homossexual (MOVILH) à AFP.

O Congresso do Chile aprovou, em janeiro, a primeira lei do país que autoriza uniões civis de casais homossexuais.

O casamento entre pessoas do mesmo sexo é reconhecido na Argentina, Uruguai e Brasil. 

Colômbia e Equador reconhecem as uniões civis de casais do mesmo sexo.

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.