sicnot

Perfil

Mundo

Papa Francisco pede ao Burundi para deixar a violência e atuar com responsabilidade

O papa Francisco pediu hoje ao Burundi para deixar a violência e atuar com responsabilidade, quando há várias semanas o país é afetado por conflitos para impedir o seu presidente de voltar a candidatar-se ao cargo.

© Giampiero Sposito / Reuters

"Queria convidar à oração pelo povo do Burundi que está a viver um momento delicado: que o Senhor ajude a todos a afastar-se da violência e atuar de forma responsável para o bem do país", disse hoje Jorge Bergoglio no Vaticano, antes de rezar a Regina Coeli, que substitui a oração de domingo durante o período pascal.

A 25 de abril, o partido no governo do Burundi, o Conselho Nacional para a Defesa da Democracia, anunciou que Nkurunziza iria apresentar-se como candidato às eleições presidenciais de junho, para um terceiro mandato, apesar de a Constituição do país limitar a permanência no cargo a dois períodos de cinco anos.

A decisão de manter a candidatura levou a violentos protestos que já causaram a morte de, pelo menos, 20 civis e 12 soldados e que obrigaram mais de 100 mil cidadãos a abandonar o país.





Lusa
  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.