sicnot

Perfil

Mundo

Arábia Saudita quer contratar carrascos devido ao aumento das execuções

As autoridades da Arábia Saudita estão à procura de carrascos que terão a responsabilidade de executar, por decapitação, os condenados à morte naquele país, onde já foram executadas este ano 85 pessoas.

Este processo de recrutamento coincide com um aumento do número de execuções no reino saudita, onde os crimes de homicídio, tráfico de droga, violação, homossexualidade, bruxaria, apostasia e assalto à mão armada são puníveis com a pena de morte. (Arquivo)

Este processo de recrutamento coincide com um aumento do número de execuções no reino saudita, onde os crimes de homicídio, tráfico de droga, violação, homossexualidade, bruxaria, apostasia e assalto à mão armada são puníveis com a pena de morte. (Arquivo)

© Jaime Saldarriaga / Reuters

A oferta de trabalho, hoje divulgada no 'site' do Ministério do Serviço Público saudita, propõe oito vagas e não requer qualificações específicas ou experiência, podendo qualquer interessado candidatar-se ao cargo que terá como função "executar condenados à morte". 

Os futuros contratados terão também de fazer "amputações" a pessoas condenadas por roubo. 

Este processo de recrutamento coincide com um aumento do número de execuções no reino saudita, onde os crimes de homicídio, tráfico de droga, violação, homossexualidade, bruxaria, apostasia e assalto à mão armada são puníveis com a pena de morte.

A Arábia Saudita, país ultraconservador, aplica uma versão rígida da 'sharia' (lei islâmica). 

Desde o início deste ano, 85 pessoas foram executadas na Arábia Saudita, contra um total de 87 execuções em todo o ano de 2014.

A última decapitação foi hoje consumada e envolveu um cidadão saudita acusado de sequestro e violação de menores.

Num relatório da Amnistia Internacional, datado de 2014, o reino saudita figurava entre os países do mundo que mais executam pessoas, ao lado da China, Irão e Iraque.
Lusa
  • Execução de estrangeiros pelo "Estado Islâmico" compete a um só homem
    2:35

    Daesh

    A estrutura de comando do auto-proclamado Estado Islâmico é dominada por estrangeiros. Um dos chefes é o carrasco das execuções, conhecido por Jihadi John. Uma testemunha, um tradutor dissidente que assistiu a alguns dos atos, fugiu para o sul da Turquia, onde revelou a um repórter da Sky News que qualquer um pode matar sírios, mas a execução de estrangeiros é um exclusivo de Jihadi John.

  • Costa desvaloriza ameaça e mantém planos de visita a Angola
    2:27

    Economia

    O governo angolano reagiu duramente à acusação do Ministério público portugues contra o vice-presidente de Angola. Luanda diz que a acusação é um sério ataque à República de Angola que pode perturbar as relações entre os dois paises. António Costa desvaloriza a ameaça e mantém os planos de uma visita a Angola na primavera.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Brasil já tirou o "pé do chão"
    1:59

    Mundo

    Já começaram os desfiles e festas de carnaval, no Rio de Janeiro.Esta sexta feira foi o início oficial das celebrações com centenas de milhar de pessoas nas ruas até de madrugada.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato. 

  • Atores de Hollywood contra Trump
    1:44

    Mundo

    Centenas de pessoas juntaram-se em mais um protesto contra o presidente dos Estados Unidos. A manifestação, em Beverly Hills, juntou várias estrelas de Hollywood.