sicnot

Perfil

Mundo

Madre Teresa de Calcutá pode ser santificada em 2016

A madre Teresa de Calcutá (1910-1997) será proclamada santa em setembro do próximo ano, noticiaram esta terça-feira 'media' italianos, que citam um responsável do Vaticano.

A religiosa, uma das mais conhecidas e populares no mundo cristão, recebeu o prémio Nobel da Paz em 1979 e foi beatificada por João Paulo II a 19 de outubro de 2003, numa cerimónia em Roma que reuniu 300 mil fiéis. (Arquivo)

A religiosa, uma das mais conhecidas e populares no mundo cristão, recebeu o prémio Nobel da Paz em 1979 e foi beatificada por João Paulo II a 19 de outubro de 2003, numa cerimónia em Roma que reuniu 300 mil fiéis. (Arquivo)

AP

O presidente do Conselho Pontifício para a promoção da nova evangelização, arcebispo Salvatore Fisichella, afirmou que o papa Francisco vai canonizar a religiosa a 4 de setembro do próximo ano, durante uma reunião com as autoridades de Roma para a preparação do "Jubileu da Misericórdia", entre dezembro deste ano e novembro de 2016.  

O padre Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano, declarou que a canonização ainda não foi aprovada, "sendo ainda prematuro falar numa data concreta para a canonização".  

A Igreja Católica tem previsto comemorar a "memória da beata Teresa de Calcutá" a 5 de setembro de 2016, no âmbito do programa de eventos do Jubileu, um dia depois da data referida por Fisichella.  

Nascida numa família albanesa na Macedónia, a religiosa fundou em 1950 as Missionárias da Caridade e, durante mais de 40 anos, dedicou-se aos pobres, doentes e moribundos, nomeadamente em Calcutá, na Índia. 

A religiosa, uma das mais conhecidas e populares no mundo cristão, recebeu o prémio Nobel da Paz em 1979 e foi beatificada por João Paulo II a 19 de outubro de 2003, numa cerimónia em Roma que reuniu 300 mil fiéis. 

A beatificação é o primeiro passo para a santidade. 

Os críticos acusaram a religiosa de tentar impor o catolicismo aos mais vulneráveis e a académica australiana Germaine Greer apelidou-a de "imperialista religiosa". 
Lusa
  • Sociedade das Nações

    "As Missionárias da Caridade estão a tentar manter-se fiéis à visão da Madre Teresa" diz o padre Brian Kolodiejchuk. O continuador da obra da Madre Teresa de Calcutá lembra que a visão inicial nunca foi orientada no sentido de "uma instituição grande, mas num auxílio focado nas pessoas que estão a receber a ajuda". "O objectivo é prestar uma ajuda imediata e eficaz", afirma o convidado do Sociedade das Nações.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.