sicnot

Perfil

Mundo

Marrocos detém 52 pessoas que procuravam chegar a Espanha a nado

As forças de segurança marroquinas detiveram hoje no norte do país 52 pessoas que pretendiam chegar clandestinamente, a nado, a Espanha, informaram fonte do governo civil de Tanger.

AP

Segundo estas fontes, citadas pela agência noticiosa marroquina MAP, estas 52 pessoas estavam divididas em seis grupos e foram detidas em diferentes pontos da costa do Estreito, que se estende de Tanger até Castillejos, a sul de Ceuta.

Os seis grupos tinham "meios para nadar" e foram detidos graças ao dispositivo de segurança mobilizado para o litoral marroquino, acrescentaram as mesmas fontes. 

No último sábado, as autoridades marroquinas intercetaram cinco embarcações, também na costa do estreito, em que viajavam 93 pessoas. 

Nas últimas semanas, e com a chegada do calor, estão a multiplicar-se as saídas por barco, devido também a que o assalto às valas fronteiriças de Ceuta e Melilla é cada vez mais complicado perante o reforço destas e a cooperação da polícia marroquina no seu controlo. 

Marrocos legalizou em finais de 2014 mais de 17 mil imigrantes, mas esta decisão não reduziu o elevado número de migrantes da África subsariana que consideram Marrocos como ponto de passagem na sua marcha para a Europa. 






Lusa
  • Todos os distritos sob Aviso Amarelo devido ao frio

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera colocou Portugal continental sob Aviso Amarelo na quarta e na quinta-feira. Os termómetros vão estar abaixo de zero em todo o território, à exceção dos distritos de Lisboa, Porto e Faro.

  • Motim em prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos
    1:09

    Mundo

    Um novo motim numa prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos. A prisão, que é a maior do Estado do Rio Grande do Norte, tem capacidade para 600 reclusos mas acolhe quase o dobro. Após o motim de 14 horas, a polícia já tem o controlo total da prisão.

  • Aqui também se vive
    16:07
  • Austrália condena Japão por caça de baleias no Oceano Antártico

    Mundo

    O Governo da Austrália condenou hoje o Japão por retomar a caça de baleias no Oceano Antártico, após a divulgação de imagens de um cetáceo morto a bordo de um barco japonês que se encontrava em águas protegidas.O ministro do Ambiente, Josh Frydenberg, manifestou "profunda deceção", um dia depois de a organização Sea Shepherd divulgar fotografias e vídeos de uma baleia minke no barco japonês Nisshin Maru.