sicnot

Perfil

Mundo

Movimento LGBT argentino "orgulhoso" por emissão de certidão de nascimento com três pais

A Federação Argentina de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais (FALGBT) mostrou-se esta terça-feira muito orgulhosa com decisão administrativa de emitir uma certidão de nascimento com três pais para um bebé de um casal lésbico.

Esta decisão foi tomada no contexto de uma cada vez maior abertura da Argentina aos direitos LGBT. O país foi o primeiro na América Latina a permitir casamentos homossexuais, em julho de 2010, e já permite adoção por casais gay. (Arquivo)

Esta decisão foi tomada no contexto de uma cada vez maior abertura da Argentina aos direitos LGBT. O país foi o primeiro na América Latina a permitir casamentos homossexuais, em julho de 2010, e já permite adoção por casais gay. (Arquivo)

© Marcos Brindicci / Reuters

As duas mães pretendiam incluir o nome do pai biológico no registo de Antonio, nascido há 14 meses e gerado através de inseminação artificial, e este seu pedido foi aceite com uma simples decisão administrativa.

Sem precedentes legais, o caso surpreendeu o líder da FALGBT, Esteban Paulon, um grupo que aconselhou o casal ao longo do processo. 

"Nem precisámos de ir a tribunal", disse o ativista, mostrando-se satisfeito com o resultado: "A situação parece ficção científica em muitos países que apenas agora começam a falar de igualdade no direito ao casamento".

Susana Guichal e Valeria Gaete, ambas com 39 anos, casaram-se em 2012 e decidiram ter um filho. O pai, Herman Melazzi, 37 anos, já era amigo das mães e agora, perante a decisão administrativa, realçou a importância deste registo. 

Foi "um momento importante para nós os três, e também para o Antonio", afirmou o pai.

Esta decisão foi tomada no contexto de uma cada vez maior abertura da Argentina aos direitos LGBT. O país foi o primeiro na América Latina a permitir casamentos homossexuais, em julho de 2010, e já permite adoção por casais gay.

O caso argentino segue os passos do vizinho Brasil que, no ano passado, permitiu o registo de um bebé com duas mães, um pai e seis avós. Certidões de nascimento com três pais também já foram emitidas no Canadá e nos Estados Unidos da América.
Lusa
  • Arraial da Comunidade LGBT em Lisboa sob o tema da coadoção
    2:26

    País

    A comunidade LGBT está em festa no Terreiro do Paço, em Lisboa. Dezoito anos depois do primeiro arraial, a ILGA Portugal quer chamar a atenção para a importância de se continuar a falar na coadoção por casais do mesmo sexo. Para a associação uma festa gratuita e para todos é uma boa forma de afirmar o orgulho.

  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC