sicnot

Perfil

Mundo

Unicef alerta para dezenas de crianças mortas e violadas no Sudão do Sul

A Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) revelou hoje que dezenas de crianças foram mortas, 12 violadas e outras raptadas, na sequência de uma série de ataques no Sudão do Sul, nas últimas duas semanas.

© Reuters Staff / Reuters

De acordo com a informação divulgada pela Unicef, com base em dezenas de relatos de testemunhas, os ataques ocorreram no Estado de Unity, onde "homens e rapazes armados, vestidos à civil ou com uniformes militares, têm sido responsáveis pela destruição massiva de vidas e bens".

"Algumas pessoas que testemunharam estes atos pensam que os ataques foram levados a cabo por grupos armados alinhados com o Exército Popular de Libertação do Sudão", diz a Unicef.

Na sequência desses ataques, aldeias inteiras foram incendiadas e "muitas mulheres e raparigas foram levadas para serem violadas e mortas -- entre as quais crianças com sete anos de idade", lê-se na nota de imprensa.

Diz a Unicef que, pelo menos, 19 rapazes e sete raparigas forma mortos, enquanto outros foram raptados e recrutados para se juntarem aos combates ou para cuidarem de gado roubado.

Perante estes casos, a Unicef pede que tanto o governo do Sudão do Sul como as forças que se lhe opõe "devem fazer uso de toda a sua influência para proteger as crianças, por fim às violações graves, incluindo a violência sexual, e libertar todas as crianças das forças armadas e grupos associados".

A Unicef estima que 13 mil crianças tenham sido recrutadas e estejam a ser usadas por todas as partes no conflito.


Lusa
  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras