sicnot

Perfil

Mundo

Duas em cada cinco aves selvagens europeias estão ameaçadas

Quase duas em cada cinco aves selvagens europeias estão ameaçadas, mais de metade estão seguras e, das restantes espécies, 60% regista um estado de conservação desfavorável, conclui um relatório da Agência Europeia do Ambiente.

O documento revela que 52% de todas as espécies de aves selvagens avaliadas "têm um estatuto seguro", mas "cerca de 17% das espécies continuam a estar ameaçadas e aproximadamente 15% estão quase ameaçadas, em declínio ou depauperadas". (Arquivo)

O documento revela que 52% de todas as espécies de aves selvagens avaliadas "têm um estatuto seguro", mas "cerca de 17% das espécies continuam a estar ameaçadas e aproximadamente 15% estão quase ameaçadas, em declínio ou depauperadas". (Arquivo)

© Victor Fraile / Reuters

O documento hoje divulgado revela que 52% de todas as espécies de aves selvagens avaliadas "têm um estatuto seguro", mas "cerca de 17% das espécies continuam a estar ameaçadas e aproximadamente 15% estão quase ameaçadas, em declínio ou depauperadas".

Entre as espécies com problemas estão a laverca (Alauda arvensis) e o maçarico-de-bico-direito (Limosa limosa), cuja presença era habitual há algum tempo nas terras agrícolas, exemplifica a entidade europeia (EEA na sigla em inglês).

É ainda destacado que muitos passáros "com direito" a áreas protegidas da parte dos Estados membros, no âmbito da diretiva "Habitats", registaram aumentos na sua população, apesar de algumas destas espécies não serem consideradas em estado seguro.  

Entre as outras espécies protegidas através da diretiva, a avaliação de quase um quarto (23%) foi favorável, mas a EEA especifica que mais de metade das espécies (60%) encontra-se ainda num estado de conservação desfavorável, ou seja, 42% apresenta um estado desfavorável/inadequado e 18% estão em estado desfavorável/mau. 

O estado de conservação de várias espécies, como as aves de rapina ou algumas carnívoras, revela melhorias em algumas áreas, mas a EEA admite que são limitadas a um nível local ou regional e ainda não são de âmbito europeu.

Os prados, as zonas húmidas e os habitats de dunas são áreas da natureza que motivam "especial preocupação" dos especialistas europeus.

Os habitats apresentam um estado de conservação e tendências piores que aquelas das espécies e somente 16% das avaliações resultam num estado favorável.

"A esmagadora maioria dos habitats encontra-se num estado de conservação desfavorável, ou seja, em 47% das avaliações o estado é desfavorável/inadequado e em 30% desfavorável/mau", segundo EEA.

O comissário europeu responsável pelo Ambiente, Assuntos Marítimos e Pesca, Karmenu Vella, citado numa informação hoje divulgada, salienta que, "embora mostre um panorama geral contrastado, [o relatório] demonstra claramente que os esforços envidados para melhorar os ecossistemas vulneráveis podem ser altamente eficazes". 

O documento também sublinha "a dimensão dos problemas que subsistem e devemos resolver estes problemas, já que a saúde dos cidadãos europeus e da nossa economia dependem da saúde da natureza", alerta Karmenu Vella.

Na informação entregue à EEA, os Estados membros relatam a existência de pressões e ameaças para cada espécie e habitat, principalmente aquelas relacionadas com a atividade agrícola, como alteração das práticas de cultivo, o abandono dos sistemas de pastoreio, a fertilização ou os pesticidas, e com a artificialização dos rios e lagos, que são responsáveis por impactos negativos na situação da natureza.  

A Rede Natura 2000 abrange 18% do território da União Europeia e 4% da sua área marítima e "parece ser uma medida de conservação efetiva", acabando por beneficiar também espécies que não estão classificadas naquele instrumento.
Lusa
  • Ajudar a avifauna com abrigos e alimentadores
    3:33

    Economia Verde

    Dois ornitólogos lançaram um negócio de abrigos artesanais para aves. No início, a maior parte dos clientes eram investigadores, mas há cada vez mais pessoas a interessarem-se por observar, dar abrigo e disponibilizar alimento aves selvagens, o que em meio urbano pode ser importante para algumas espécies. Além de caixas-minho, a Natur.Eco também vende alimentadores e abrigos para morcegos.

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57

    País

    Tondela foi um dos municípios mais atingidos pelo incêndio, deixando dezenas de animais feridos e perdidos no concelho. Várias clínicas veterinárias são agora um porto de abrigo e, em alguns casos, um ponto de encontro. Muitos dos animais chegaram recolhidos por voluntários e a maior parte dos casos são animais que, no momento de aflição, foram soltos pelos donos e salvos pelo instituto de sobrevivência.

  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31