sicnot

Perfil

Mundo

Estado norte-americano do Nebrasca aprova abolição da pena de morte

O Senado do Nebrasca, Estados Unidos, aprovou hoje a abolição da pena de morte, que deverá ser substituída por prisão perpétua, com o número suficiente de votos para neutralizar o veto esperado do governador.

AP

Apesar do apelo do governador republicano Peter Ricketts para ser mantida a pena de morte, a câmara única daquele Estado norte-americano, situado no centro do país, aprovou uma lei para abolir a pena de morte com efeitos retroativos, segundo um comunicado daquela assembleia.

A lei foi aprovada com 32 votos a favor e 15 contra após duas horas de debate, confirmando a votação de 34 votos a favor e 14 contra do passado 17 de abril.

São precisos 30 votos para neutralizar o veto que o governador Ricketts tinha prometido caso a lei fosse aprovada.

O Nebrasca é o 19.º estado dos Estados Unidos a abolir a pena de morte.

Aquele estado norte-americano não executa qualquer condenado desde 1997 e tem 11 pessoas no corredor da morte.

Os condenados à morte passam assim a ver a sua pena ser comutada para a prisão perpétua.










Lusa
  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.