sicnot

Perfil

Mundo

Governo da Tailândia nega expulsão de barco com imigrantes

O Governo de Tailândia disse hoje que não expulsou barcos com imigrantes e negou ter ameaçado disparar na semana passada contra uma das embarcações, conforme tinha dito um dos passageiros. 

© Olivia Harris / Reuters

Sirajul Islam, um muçulmano rohingya resgatado na quarta-feira na Indonésia, afirmou que a marinha tailandesa ameaçou disparar contra o barco se este não abandonasse as águas tailandesas, depois de ter fornceido água e comida aos seus ocupantes, segundo o diário Bangkok Post.

O vice-porta-voz do Governo, Sansern Kaewkamnerd, disse que a Tailândia exclui o uso da violência e que está em conformidade com a lei internacional no que diz respeito à ajuda humanitária.

Sansern assegurou que a marinha entregou mantimentos e reparou o navio, e que os imigrantes a bordo quiseram continuar viagem até à Malásia ou Indonésia. 

Não obstante, afirmou que se os nacionais do Bangladesh ou birmaneses decidirem permanecer na Tailândia devem cumprir os procedimentos contemplados na legislação tailandesa. 

O Governo tailandês distanciou-se de um acordo alcançado, na quarta-feira, pela Indonésia e Malásia, para aceitar os milhares de imigrantes à deriva no golfo de Bengala e mar de Andamão, incluindo muitos 'rohingyas", em acampamentos temporários até poderem ser repatriados ou enviados para países terceiros.

"Nós vamos ajudar, mas temos de discutir as políticas", disse o primeiro-ministro e chefe da junta militar tailandesa, Prayuth Chan-ocha, segundo o jornal Bangkok Post.

Cerca de 3.000 imigrantes do Bangladesh e Birmânia, grande parte da minoria étnica rohingya, desembarcaram, desde a semana passada, na Malásia e Indonésia, apesar das tentativas da marinha desses países para mantê-los afastados das suas costas. 

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), cerca de 25.000 pessoas zarparam em barcos a partir do Bangladesh e Birmânia durante o primeiro trimestre deste ano, o dobro em relação ao mesmo período do ano passado. 

Os rohingya são uma minoria muçulmana apátrida que não vê reconhecida a sua cidadania nem na Birmânia nem no Bangladesh.


Lusa
  • Cerca de 700 imigrantes resgatados na Indonésia

    Mundo

    Cerca de 700 imigrantes da Birmânia (minoria rohingya) e do Bangladesh chegaram esta sexta-feira à Indonésia depois de terem sido resgatados por barcos pesqueiros quando a sua embarcação naufragou na costa da província de Aceh, informou a polícia.

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.