sicnot

Perfil

Mundo

Governo da Tailândia nega expulsão de barco com imigrantes

O Governo de Tailândia disse hoje que não expulsou barcos com imigrantes e negou ter ameaçado disparar na semana passada contra uma das embarcações, conforme tinha dito um dos passageiros. 

© Olivia Harris / Reuters

Sirajul Islam, um muçulmano rohingya resgatado na quarta-feira na Indonésia, afirmou que a marinha tailandesa ameaçou disparar contra o barco se este não abandonasse as águas tailandesas, depois de ter fornceido água e comida aos seus ocupantes, segundo o diário Bangkok Post.

O vice-porta-voz do Governo, Sansern Kaewkamnerd, disse que a Tailândia exclui o uso da violência e que está em conformidade com a lei internacional no que diz respeito à ajuda humanitária.

Sansern assegurou que a marinha entregou mantimentos e reparou o navio, e que os imigrantes a bordo quiseram continuar viagem até à Malásia ou Indonésia. 

Não obstante, afirmou que se os nacionais do Bangladesh ou birmaneses decidirem permanecer na Tailândia devem cumprir os procedimentos contemplados na legislação tailandesa. 

O Governo tailandês distanciou-se de um acordo alcançado, na quarta-feira, pela Indonésia e Malásia, para aceitar os milhares de imigrantes à deriva no golfo de Bengala e mar de Andamão, incluindo muitos 'rohingyas", em acampamentos temporários até poderem ser repatriados ou enviados para países terceiros.

"Nós vamos ajudar, mas temos de discutir as políticas", disse o primeiro-ministro e chefe da junta militar tailandesa, Prayuth Chan-ocha, segundo o jornal Bangkok Post.

Cerca de 3.000 imigrantes do Bangladesh e Birmânia, grande parte da minoria étnica rohingya, desembarcaram, desde a semana passada, na Malásia e Indonésia, apesar das tentativas da marinha desses países para mantê-los afastados das suas costas. 

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), cerca de 25.000 pessoas zarparam em barcos a partir do Bangladesh e Birmânia durante o primeiro trimestre deste ano, o dobro em relação ao mesmo período do ano passado. 

Os rohingya são uma minoria muçulmana apátrida que não vê reconhecida a sua cidadania nem na Birmânia nem no Bangladesh.


Lusa
  • Cerca de 700 imigrantes resgatados na Indonésia

    Mundo

    Cerca de 700 imigrantes da Birmânia (minoria rohingya) e do Bangladesh chegaram esta sexta-feira à Indonésia depois de terem sido resgatados por barcos pesqueiros quando a sua embarcação naufragou na costa da província de Aceh, informou a polícia.

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.