sicnot

Perfil

Mundo

Irão ameça responder com 80.000 mísseis se Israel atacar o país

© Morteza Nikoubazl / Reuters

Yahya Safavi declarou que os "Estados Unidos da América (EUA) e os sionistas têm consciência do poder do Irão e do Hezbolla e sabem que mais de 80.000 mísseis estão prontos para cair sobre Telavive e Haifa", realçando que "o Irão é um país poderoso e, no caso de ser atacado, responderá de forma devastadora".  

Esta foi a resposta mais dura, até ao momento, às declarações proferidas na semana passada pelo ministro da Defesa israelita, Moshé Yalón, nas quais manifestou que, se o seu país não tiver "uma resposta através de operações cirúrgicas" para parar o programa nuclear iraniano, poderão tomar "decisões semelhantes às dos Estados Unidos em Nagasáqui e Hiroshima".

Estas palavras, em que segundo o Irão, Israel reconhece implicitamente deter armas nucleares e estar disposto a usá-las contra o Irão, levou aquele país da Ásia Ocidental a apresentar uma denúncia às Nações Unidas e a endurecer o seu discurso militar.

"Se os sionistas fizerem algum movimento irrefletido, arruinaremos Hayfa e Telavive. Os sionistas têm muitos problemas e sabem que o Irão é demasiado poderoso para que possam dominá-lo", declarou Safavi.

O assistente do líder acrescentou ainda que a resposta iraniana não só cairá sobre o "regime sionista", mas também sobre quem tentar atuar contra eles.

Noutras declarações do mesmo teor publicadas hoje, o comandante da Guarda Revolucionária iraniana, Alí Jafarí, realçou que os "inimigos da nação" o que percebem melhor é a "linguagem da força e das armas" e que o seu país está disposto a enfrentá-los "com a mesma linguagem". 

 "A opção militar de que os ocidentais falam constantemente é ridícula e sabem que se esta pudesse dar resultado já a teriam utilizado muitas vezes. Por isso, mudaram o seu foco para outros tipos de ameaças e para guerras de baixa intensidade", disse.

O Irão e os países do grupo 5+1 (EUA, China, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha) estão a negociar um acordo sobre o polémico programa iraniano, que põe fim às sanções impostas à economia do país em troca de garantias de que o programa nuclear não possa ser desviado para fins militares.

Segundo indicaram todos os negociadores, o acordo está a avançar e é possível chegar a uma solução antes do prazo combinado pelas partes. 

Contudo, Irão e EUA não param de pressionar-se mutuamente sobre esta questão, o que já levou Washington a afirmar que a "opção militar" ainda se encontra sobre a mesa no caso de Teerão não aceitar um pacto nuclear.

Teerão, embora tenha considerado esta postura norte-americana como parte de uma retórica projetada para o seu mercado interno e para tranquilizar o "regime sionista", como habitualmente se referem a Israel, também advertiu que não negociará "sob a sombra das ameaças" e que nunca aceitará um pacto nuclear que rompa com os limites que se traçaram no princípio das negociações. 

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.