sicnot

Perfil

Mundo

Irão ameça responder com 80.000 mísseis se Israel atacar o país

© Morteza Nikoubazl / Reuters

Yahya Safavi declarou que os "Estados Unidos da América (EUA) e os sionistas têm consciência do poder do Irão e do Hezbolla e sabem que mais de 80.000 mísseis estão prontos para cair sobre Telavive e Haifa", realçando que "o Irão é um país poderoso e, no caso de ser atacado, responderá de forma devastadora".  

Esta foi a resposta mais dura, até ao momento, às declarações proferidas na semana passada pelo ministro da Defesa israelita, Moshé Yalón, nas quais manifestou que, se o seu país não tiver "uma resposta através de operações cirúrgicas" para parar o programa nuclear iraniano, poderão tomar "decisões semelhantes às dos Estados Unidos em Nagasáqui e Hiroshima".

Estas palavras, em que segundo o Irão, Israel reconhece implicitamente deter armas nucleares e estar disposto a usá-las contra o Irão, levou aquele país da Ásia Ocidental a apresentar uma denúncia às Nações Unidas e a endurecer o seu discurso militar.

"Se os sionistas fizerem algum movimento irrefletido, arruinaremos Hayfa e Telavive. Os sionistas têm muitos problemas e sabem que o Irão é demasiado poderoso para que possam dominá-lo", declarou Safavi.

O assistente do líder acrescentou ainda que a resposta iraniana não só cairá sobre o "regime sionista", mas também sobre quem tentar atuar contra eles.

Noutras declarações do mesmo teor publicadas hoje, o comandante da Guarda Revolucionária iraniana, Alí Jafarí, realçou que os "inimigos da nação" o que percebem melhor é a "linguagem da força e das armas" e que o seu país está disposto a enfrentá-los "com a mesma linguagem". 

 "A opção militar de que os ocidentais falam constantemente é ridícula e sabem que se esta pudesse dar resultado já a teriam utilizado muitas vezes. Por isso, mudaram o seu foco para outros tipos de ameaças e para guerras de baixa intensidade", disse.

O Irão e os países do grupo 5+1 (EUA, China, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha) estão a negociar um acordo sobre o polémico programa iraniano, que põe fim às sanções impostas à economia do país em troca de garantias de que o programa nuclear não possa ser desviado para fins militares.

Segundo indicaram todos os negociadores, o acordo está a avançar e é possível chegar a uma solução antes do prazo combinado pelas partes. 

Contudo, Irão e EUA não param de pressionar-se mutuamente sobre esta questão, o que já levou Washington a afirmar que a "opção militar" ainda se encontra sobre a mesa no caso de Teerão não aceitar um pacto nuclear.

Teerão, embora tenha considerado esta postura norte-americana como parte de uma retórica projetada para o seu mercado interno e para tranquilizar o "regime sionista", como habitualmente se referem a Israel, também advertiu que não negociará "sob a sombra das ameaças" e que nunca aceitará um pacto nuclear que rompa com os limites que se traçaram no princípio das negociações. 

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.