sicnot

Perfil

Mundo

Diplomacia norte-americana começou a divulgar "e-mails" controversos de Hillary Clinton

O Departamento de Estado norte-americano divulgou hoje algumas das milhares de mensagens de correio eletrónico ('e-mail') da ex-secretária de Estado e candidata democrata à Casa Branca Hillary Clinton.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jim Young / Reuters

Os 'e-mails' hoje publicados são da altura em que Hillary Clinton comandava a diplomacia norte-americana, cargo que assumiu entre janeiro de 2009 e fevereiro de 2013, e fazem referência ao ataque contra o consulado norte-americano em Benghazi (leste), na Líbia, ocorrido em 2012. 

Estas mensagens de correio eletrónico têm estado há várias semanas no centro de uma polémica em Washington, porque foram escritas a partir de uma conta pessoal de Hillary Clinton e enviadas de um servidor privado e não através de uma conta governamental, como é regra. 

O Departamento de Estado norte-americano começou hoje a divulgar 296 'e-mails' oficiais da ex-secretária (350 páginas), num total de cerca de 30 mil mensagens (55.000 páginas).

Um juiz ordenou esta semana que o Departamento de Estado iniciasse imediatamente a publicação dos 'e-mails' de forma progressiva e não de uma só vez, como a diplomacia norte-americana planeava fazer a partir de janeiro de 2016.

Hillary Clinton pediu à administração norte-americana para tomar uma decisão sobre este assunto o mais rápido possível.

Entre os milhares de 'e-mails', várias centenas estão relacionados com a situação na Líbia entre 2011 e 2012, incluindo sobre o ataque armado ocorrido a 11 de setembro de 2012 contra o consulado dos Estados Unidos em Benghazi. No ataque perderam a vida o embaixador Christopher Stevens e outros três agentes norte-americanos.

"Estes documentos são relativos a um período de dois anos, de 01 de janeiro de 2011 a 31 de dezembro de 2012, e dizem respeito à segurança e aos ataques contra a missão em Benghazi, bem como sobre a presença diplomática dos Estados Unidos na Líbia", explicou a porta-voz do Departamento de Estado, Marie Harf.

Na altura, o atentado de Benghazi promoveu durante vários meses um clima de controvérsia entre a administração norte-americana democrata e o Congresso republicano, com a realização de diversas audições, inquéritos e relatórios.

Os 'e-mails' de Hillary Clinton chegaram a estar nas mãos de uma comissão responsável pelo inquérito sobre a gestão do caso de Benghazi.

A controvérsia política começou a propósito da responsabilidade do ataque. Inicialmente, a administração do Presidente Barack Obama atribuiu o ataque a uma manifestação "espontânea" de muçulmanos em cólera.

As autoridades norte-americanas reconheceram posteriormente que tinha sido um atentado "terrorista" islamita.

Hillary Clinton anunciou em 12 de abril que é candidata às presidenciais norte-americanas de 2016.

Lusa
  • Primeiras projeções dão vitória a Angela Merkel

    Mundo

    A CDU da chanceler Angela Merkel venceu as eleições legislativas deste domingo com 33,5% dos votos, seguida dos sociais-democratas do SPD e do partido Alternativa para a Alemanha, de extrema-direita, segundo uma sondagem divulgada pela televisão pública ZDF.

  • Maratona da democracia em Barcelona
    1:18

    Mundo

    Na Catalunha, milhares de pessoas alimentam o braço de ferro com Madrid. Em Barcelona decorre a maratona pela democracia, na Praça da Universidade. A iniciativa repete-se noutros 300 municípios da região.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.