sicnot

Perfil

Mundo

Diplomacia norte-americana começou a divulgar "e-mails" controversos de Hillary Clinton

O Departamento de Estado norte-americano divulgou hoje algumas das milhares de mensagens de correio eletrónico ('e-mail') da ex-secretária de Estado e candidata democrata à Casa Branca Hillary Clinton.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jim Young / Reuters

Os 'e-mails' hoje publicados são da altura em que Hillary Clinton comandava a diplomacia norte-americana, cargo que assumiu entre janeiro de 2009 e fevereiro de 2013, e fazem referência ao ataque contra o consulado norte-americano em Benghazi (leste), na Líbia, ocorrido em 2012. 

Estas mensagens de correio eletrónico têm estado há várias semanas no centro de uma polémica em Washington, porque foram escritas a partir de uma conta pessoal de Hillary Clinton e enviadas de um servidor privado e não através de uma conta governamental, como é regra. 

O Departamento de Estado norte-americano começou hoje a divulgar 296 'e-mails' oficiais da ex-secretária (350 páginas), num total de cerca de 30 mil mensagens (55.000 páginas).

Um juiz ordenou esta semana que o Departamento de Estado iniciasse imediatamente a publicação dos 'e-mails' de forma progressiva e não de uma só vez, como a diplomacia norte-americana planeava fazer a partir de janeiro de 2016.

Hillary Clinton pediu à administração norte-americana para tomar uma decisão sobre este assunto o mais rápido possível.

Entre os milhares de 'e-mails', várias centenas estão relacionados com a situação na Líbia entre 2011 e 2012, incluindo sobre o ataque armado ocorrido a 11 de setembro de 2012 contra o consulado dos Estados Unidos em Benghazi. No ataque perderam a vida o embaixador Christopher Stevens e outros três agentes norte-americanos.

"Estes documentos são relativos a um período de dois anos, de 01 de janeiro de 2011 a 31 de dezembro de 2012, e dizem respeito à segurança e aos ataques contra a missão em Benghazi, bem como sobre a presença diplomática dos Estados Unidos na Líbia", explicou a porta-voz do Departamento de Estado, Marie Harf.

Na altura, o atentado de Benghazi promoveu durante vários meses um clima de controvérsia entre a administração norte-americana democrata e o Congresso republicano, com a realização de diversas audições, inquéritos e relatórios.

Os 'e-mails' de Hillary Clinton chegaram a estar nas mãos de uma comissão responsável pelo inquérito sobre a gestão do caso de Benghazi.

A controvérsia política começou a propósito da responsabilidade do ataque. Inicialmente, a administração do Presidente Barack Obama atribuiu o ataque a uma manifestação "espontânea" de muçulmanos em cólera.

As autoridades norte-americanas reconheceram posteriormente que tinha sido um atentado "terrorista" islamita.

Hillary Clinton anunciou em 12 de abril que é candidata às presidenciais norte-americanas de 2016.

Lusa
  • Mulher detida ao tentar atropelar polícias junto ao Capitólio, em Washington

    Mundo

    Agentes da polícia abriram fogo contra uma mulher (e não um homem, ao contrário do que inicialmente se disse) que conduzia um carro perto do Capitólio e tentava atropelá-los, segundo o Departamento da Polícia Metropolitana de Washington. A mulher foi detida mas a polícia garante que não se tratou de um ato terrorista.

  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.