sicnot

Perfil

Mundo

Luso-americano processa empresa por acidente ferroviário que fez oito mortos nos EUA

O cobrador principal do comboio da Amtrak envolvido no acidente em Filadélfia, EUA, que fez oito vitimas mortais na semana passada, o luso-americano Emílio Fonseca, processou a empresa por negligência e descuido. 

Segundo os investigadores, o comboio seguia de Washington para Nova Iorque quando, na aproximação a Filadélfia, fez uma curva a mais de 100 milhas por hora (cerca de 160 quilómetros por hora) numa curva em que o limite de velocidade são 50 milhas (cerca de 80 quilómetros).

Segundo os investigadores, o comboio seguia de Washington para Nova Iorque quando, na aproximação a Filadélfia, fez uma curva a mais de 100 milhas por hora (cerca de 160 quilómetros por hora) numa curva em que o limite de velocidade são 50 milhas (cerca de 80 quilómetros).

© Lucas Jackson / Reuters

Fonseca, residente em Kearny, Nova Jérsia, entregou a queixa na segunda-feira no Tribunal de Newark, alegando "negligência e descuido" da empresa no acidente de 12 de maio que fez oito vitimas mortais e feriu cerca de 200 pessoas.

Fonseca, que sofreu ferimentos no pescoço, costas, ombros e um traumatismo craniano, procura compensação por danos ainda não especificados. 

Segundo o advogado, Bruce Nagel, o luso-americano estava na casa de banho da primeira carruagem no momento do acidente, o que lhe pode ter salvo a vida.

Fonseca conseguiu escapar da carruagem e ainda alertou dezenas de passageiros para o perigo que representavam linhas de eletricidade, derrubadas durante a colisão.

O condutor ainda está hospitalizado e assim deve permanecer durante semanas, garante o advogado.

"Temos esperança de que ele ainda possa vir a andar de novo em comboios, o seu primeiro amor, a grande paixão da sua vida, mas neste momento ainda temos dúvidas", disse o advogado. 

Segundo os investigadores, o comboio seguia de Washington para Nova Iorque quando, na aproximação a Filadélfia, fez uma curva a mais de 100 milhas por hora (cerca de 160 quilómetros por hora) numa curva em que o limite de velocidade são 50 milhas (cerca de 80 quilómetros).

Outros quatro passageiros processaram também a Amtrak.

A empresa não comenta processos ainda em curso. 
Lusa
  • Sismo de magnitude 4,0 provoca um morto em Nápoles

    Mundo

    Um sismo de magnitude 4,0 na escala de Richter atingiu esta segunda-feira a ilha de Ísquia no golfo de Nápoles, no mar Tirreno, no sul de Itália. De acordo com o jornal La Stampa uma mulher terá morrido e dois feridos estarão em perigo de vida.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.