sicnot

Perfil

Mundo

Polacos elegem hoje novo Presidente

O chefe de Estado polaco cessante Bronislaw Komorowski, de centro direita, e o seu rival conservador e populista, Andrezj Duda, disputam hoje a presidência da Polónia na segunda volta de um escrutínio com resultado muito incerto. 

© Kacper Pempel / Reuters

Após um início de campanha morno em que Komorowski surgia como grande favorito com mais de 60% das intenções de voto, ocorreu uma viragem surpreendente em 10 de maio quando Duda, candidato designado pelo conservador e eurocético Jaroslaw Kaczynski, garantiu o primeiro lugar na primeira volta com 34,76%, contra 33,77% para o Presidente cessante.  

Segundo politólogos, nas vésperas da segunda e decisiva votação os resultados finais são imprevisíveis.  

"A vitória de um ou outro será à justa, impossível de prever com base nas sondagens", disse na sexta-feira à AFP Stanislaw Mocek, da Academia polaca das ciências. 

Um estudo divulgado também na sexta-feira pelo jornal Polska The Times, realizado entre 18 e 20 de maio e que abrangeu perto de 6.000 pessoas, concede a Duda 51% das intenções de voto e 49% a Komorowski, uma diferença abrangida pela margem de erro. 

Outra recente sondagem do instituto CBOS também concede a vitória a Duda, mas o instituto Millward Brown indica uma tendência inversa. 

Os poderes do chefe de Estado na Polónia são relativamente limitados e os analistas consideram que esta eleição poderá ser um prelúdio para as legislativas que devem decorrer em outubro. 

O partido da oposição conservadora da populista Direito e Justiça (Pis), dirigido por Jaroslaw Kaczynski, e a liberal Plataforma Cívica (PO) surgem lado a lado nas sondagens. 

Lusa
  • Marcelo de volta a casa após diagnóstico de gastroenterite aguda
    3:37
  • "Todas as decisões que tomei foi sempre a pensar no Sporting primeiro"
    2:08
  • Saransk tanto anseia por Ronaldo que até lhe fizeram um vídeo e uma música
    3:07
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28

    País

    O Governo prepara-se para regularizar a situação de 30 mil imigrantes ilegais que vivem em Portugal. De acordo com a edição deste sábado do semanário Expresso, o Executivo pretende também abrir portas a 75 mil novos imigrantes por ano.