sicnot

Perfil

Mundo

Ex-primeiro-ministro israelita Ehud Olmert condenado a 8 meses de prisão

Os ex-primeiro-ministro Israelita Ehud Olmert foi condenado por um tribunal de Jerusalém a oito meses de prisão pelo crime de corrupção agravada, revelam os media israelitas.

© POOL New / Reuters

Os advogados de Olmert, chefe de governo de 2006 à 2009, anunciaram de imediato que vão recorrer da decisão.

Um tribunal de Jerusalém tinha declarado em março o antigo primeiro-ministro israelita Ehud Olmert culpado de corrupção, num caso em que era acusado de receber envelopes com dinheiro de um empresário norte-americano, segundo a imprensa israelita.

Em maio do ano passado, o ex-primeiro-ministro israelita Ehud Olmert foi condenado a seis anos de prisão por corrupção no âmbito de um escândalo imobiliário quando era presidente da câmara de Jerusalém (1993-2003). 

Ehud Olmert recorreu, entretanto, da decisão junto do Supremo Tribunal de Justiça.

Envolvido em vários casos de corrupção, Ehud Olmert tinha sido já condenado, em setembro de 2012, a uma pena de prisão suspensa por abuso de confiança. 

A queda começou em julho de 2008, quando renunciou, por estar cada vez mais fragilizado pelas acusações de corrupção, a candidatar-se às eleições primárias do partido Kadima (centro-direita), abandonando 'de facto' as funções de chefia do executivo israelita. 

Figura de destaque da direita nacionalista, no partido Likud, Olmert assumiu posteriormente posições mais moderadas, aceitando a criação de um Estado palestiniano.

Chegado ao poder em 2006, para suceder a Ariel Sharon, afastado na sequência de um acidente vascular-cerebral que o deixou em estado vegetativo até à morte em janeiro deste ano, Olmert decidiu formar um novo partido centrista, o Kadima, em novembro de 2005.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Ano letivo "de uma maneira geral começou bem"

    País

    O Presidente da República considerou esta sexta-feira que o ano letivo "de uma maneira geral começou bem" e defendeu a possibilidade serem feitas "correções" a situações "injustas ou discutíveis" entre os concursos que se realizam de quatro em quatro anos.