sicnot

Perfil

Mundo

Ex-primeiro-ministro israelita Ehud Olmert condenado a 8 meses de prisão

Os ex-primeiro-ministro Israelita Ehud Olmert foi condenado por um tribunal de Jerusalém a oito meses de prisão pelo crime de corrupção agravada, revelam os media israelitas.

© POOL New / Reuters

Os advogados de Olmert, chefe de governo de 2006 à 2009, anunciaram de imediato que vão recorrer da decisão.

Um tribunal de Jerusalém tinha declarado em março o antigo primeiro-ministro israelita Ehud Olmert culpado de corrupção, num caso em que era acusado de receber envelopes com dinheiro de um empresário norte-americano, segundo a imprensa israelita.

Em maio do ano passado, o ex-primeiro-ministro israelita Ehud Olmert foi condenado a seis anos de prisão por corrupção no âmbito de um escândalo imobiliário quando era presidente da câmara de Jerusalém (1993-2003). 

Ehud Olmert recorreu, entretanto, da decisão junto do Supremo Tribunal de Justiça.

Envolvido em vários casos de corrupção, Ehud Olmert tinha sido já condenado, em setembro de 2012, a uma pena de prisão suspensa por abuso de confiança. 

A queda começou em julho de 2008, quando renunciou, por estar cada vez mais fragilizado pelas acusações de corrupção, a candidatar-se às eleições primárias do partido Kadima (centro-direita), abandonando 'de facto' as funções de chefia do executivo israelita. 

Figura de destaque da direita nacionalista, no partido Likud, Olmert assumiu posteriormente posições mais moderadas, aceitando a criação de um Estado palestiniano.

Chegado ao poder em 2006, para suceder a Ariel Sharon, afastado na sequência de um acidente vascular-cerebral que o deixou em estado vegetativo até à morte em janeiro deste ano, Olmert decidiu formar um novo partido centrista, o Kadima, em novembro de 2005.

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.