sicnot

Perfil

Mundo

Japão estuda medidas para reduzir impacto do calor nos Olímpicos de 2020

O Governo japonês está a estudar várias medidas para combater o calor na capital, Tóquio, durante os Jogos Olímpicos de 2020, nomeadamente um material de pavimentação capaz de diminuir a temperatura e promover a criação de espaços verdes.

Yoshiro mori, ex-primeiro ministro japonês e presidente do Comité olímpico.

Yoshiro mori, ex-primeiro ministro japonês e presidente do Comité olímpico.

reuters

O Executivo teme que as altas temperaturas do verão possam afetar as maratonas de Tóquio e outros eventos desportivos, tornando-se necessário alcançar um ambiente confortável não só para os atletas como ainda para os milhões de visitantes de todo o mundo. 

Entre as várias medidas que estão a ser consideradas está também a incorporação de equipas médicas de emergência para tratar as pessoas, na sequência de ondas de calor, além de colocar mais estádios e novas instalações desportivas, de acordo com informações obtidas pela emissora pública NHK.

Funcionários do Ministério japonês do Meio Ambiente e dos Transportes e Infraestruturas, o Governo Metropolitano de Tóquio e outras entidades públicas começaram já a realizar reuniões para discutir as medidas a adotar.

Os Jogos Olímpicos de Tóquio terão lugar entre os dias 24 de julho e 09 de agosto e os Jogos Paraolímpicos no final de agosto e início de setembro, o que implica que vão ser realizados numa época muito quente e húmida, com temperaturas de 30 graus em média e uma humidade relativa de 71 por cento.

A Agência Meteorológica do Japão também alertou para a possibilidade de um aumento anual médio de 1 grau no período entre 2016 e 2035 devido ao aquecimento global que está a ocorrer, o que poderia levar os termómetros a ultrapassar os 40 graus. 
  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.