sicnot

Perfil

Mundo

ONU critica Nauru por proibir Facebook

As Nações Unidas criticaram hoje a pequena nação de Nauru, no Pacífico, por ter limitado o acesso à Internet, incluindo ao Facebook, e instou o país a acabar com a repressão à liberdade de expressão.

Reuters

Nauru limitou o acesso à Internet na nação de 10 mil pessoas no mês passado, alegando que estava a impedir a pornografia, apesar de também ter bloqueado páginas como o Facebook.

Os líderes da ilha introduziram também leis que os críticos receiam poderem resultar em penas de prisão de sete anos para aqueles que participam em protestos políticos.

O enviado especial das Nações Unidas para questões de liberdade de expressão, David Kaye, acredita que estas mudanças são demasiado amplas e devem ser repelidas.

Num comunicado emitido hoje, Kaye disse que Nauru deve permitir a liberdade de expressão sem gerar receios de perseguição.

"Estas novas leis podem ser usadas para amordaçar as opiniões de dissidentes e dissuadir dos defensores de direitos humanos, jornalistas, estudantes, políticos e membros da sociedade civil", afirmou.

O Facebook é usado como plataforma para opiniões discordantes em Nauru e Kaye acredita que o seu encerramento foi "delineado para prevenir os que buscam asilo e os refugiados no país de obterem informação sobre a sua situação".

Desde 2013 que a Austrália enviou todos os imigrantes que chegaram de barco para centros de detenção para Nauru e Papua Nova Guiné.


  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41