sicnot

Perfil

Mundo

Advogado queniano oferece "dote vivo" para casar com filha de Barack Obama

Um advogado queniano ofereceu um dote de "50 vacas e outros animais" ao Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pela mão da sua filha Malia, de 16 anos, divulgou hoje um jornal de Nairobi, capital do Quénia.

© Jonathan Ernst / Reuters

Felix Kiprono diz estar na disponibilidade de "oferecer 50 vacas, 70 ovelhas e 30 cabras para realizar o seu sonho" de casar com a primeira filha de Barak Obama.

"Interessei-me por ela em 2008", disse Kiprono numa entrevista ao jornal.

Nessa altura, encontrava-se Obama a concorrer pela primeira vez ao cargo de Presidente e Malia tinha dez anos de idade. 

"De facto, desde essa altura que não namoro com ninguém, uma vez que me comprometi em ser fiel a ela", disse, acrescentando que partilhou esse sonho com a sua família, que está disposta a ajudá-lo a aumentar o dote.

O queniano salienta ainda que pretende apresentar a sua oferta de casamento a Barack Obama quando este fizer a sua primeira visita presidencial ao Quénia, terra natal do pai do Presidente, e espera que ele leve consigo a filha. 

A avó queniana de Obama, que já vai no seu 90.º aniversário, continua a viver em Kogelo, no oeste do Quénia, casa de inúmeros parentes do Presidente norte-americano. 

"Estou a escrever uma carta para enviar a Obama pedindo-lhe o favor de trazer Malia consigo na primeira visita", continuou Kiprono.

"Espero que a Embaixada lhe entregue a carta", sublinhou. 

Kiprono repudiou a ideia de poder ser visto como um 'caçador de fortunas', dizendo que as pessoas podem pensar que está  interessado no dinheiro da família Obama, "mas não é o caso". 

"O meu amor é verdadeiro", insistiu.

O jovem advogado, cuja idade não é revelada, diz que já preparou o seu pedido de casamento.

Esta, "Será feita no topo do monte", junto da povoação rural da zona onde habita. E, em vez de champanhe, seria servido 'mursik' na boda -- uma espécie de soro de leite coalhado - , para manter a tradição.  

O queniano refere ainda que, enquanto casal, ele e a jovem Obama "levariam uma vida simples".

"Ensinarei Malia a mugir uma vaca, a cozinhar 'ugali' (farinha de milho) e a preparar 'mursik'como nenhuma outra mulher 'Kalengin' -- tribo dos corredores quenianos", evidenciou ele.  

      






Lusa
  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.