sicnot

Perfil

Mundo

Austrália manteve grupo de imigrantes detido um mês em alto mar

 As autoridades australianas mantiveram um grupo de vietnamitas em busca de asilo detido em alto mar durante quase um mês, antes de o devolver ao seu país de origem, informa hoje a imprensa local.

Arquivo

Arquivo

Anonymous

O chefe da Operação Fronteiras Soberanas, Andrew Bottrell, disse, perante um comité do Senado, que este grupo de 46 pessoas, incluindo crianças, foi intercetado a 20 de março de 2015 e detido a 18 de abril.

O funcionário explicou que os refugiados foram submetidos a entrevistas pessoais em alto mar e investigados, o que significa que nenhum estava abrangido pelas obrigações de proteção australianas.

No entanto, Bottrell assegurou que os 46 vietnamitas "receberam os mais elevados cuidados médicos, alimentos e alojamento", segundo a emissora ABC.

O secretário do Ministério da Imigração e Proteção de Fronteiras, Michael Pezzullo, indicou que os imigrantes estavam cativos num "barco-prisão".

O Governo australiano tem uma rígida política anti-imigração ilegal que inclui obrigar os barcos a regressarem aos seus pontos de embarque e a colocação dos imigrantes em centros de detenção em terceiros países enquanto se processam os pedidos de asilo.

Se os pedidos forem aceites, os imigrantes são realojados noutro país, fora da Austrália.


  • Tribunal de Contas apresentou reservas em relação ao SIRESP em 2006

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O Tribunal de Contas avisou em 2006 que o Estado poderia sair prejudicado nos moldes em que o Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) estava a ser desenhado. De acordo com a edição de hoje do Jornal de Notícias, terão sido a ausência de um concurso público, a falta de tempo para a apresentação de propostas e mexidas no caderno de encargos a motivar as reservas do tribunal.

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29
  • Confirmada prisão dos portugueses que gravaram nome no portão de Auschwitz

    Mundo

    Dois adolescentes católicos portugueses foram condenados a um ano de prisão com pena suspensa, por terem gravado os nomes na porta da entrada principal de Auschwitz-Birkenau. O tribunal de primeira instância de Oswiecim já tinha condenado os jovens e o tribunal de Cracóvia confirmou esta quarta-feira a pena aplicada.