sicnot

Perfil

Mundo

Dezasseis milhões de iemenitas privados de água potável

Quase dois terços dos iemenitas não têm acesso a água potável desde a campanha aérea liderada pela Arábia Saudita para combater rebeldes xiitas apoiados pelo Irão, disse hoje a organização humanitária Oxfam.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Mohamed Al-Sayaghi / Reuters

"Ataques aéreos, combates terrestres e escassez de combustível significam que mais de três milhões de iemenitas são privados de água potável", elevando a pelo menos 16 milhões o número total de pessoas nesta situação no país, refere a Oxfam, num comunicado.

A diretora da organização para o Iémen, Grace Ommer, refere, na nota, que este número de pessoas afetadas equivale "à população de Berlim, Londres, Paris e Roma juntos". 

A coligação liderada pela Arábia Saudita lançou a 26 de março passada a campanha aérea no Iémen para combater os rebeldes que se apoderaram de grandes áreas do país, incluindo a capital, Sana.

Os ataques degradaram as capacidades militares dos rebeldes, mas não criaram a quaisquer mudanças fundamentais no terreno. 

As perspetivas de uma solução política também permanecem muito distantes, enquanto a população civil está a ser destruida pela violência, pela escassez de alimentos, de água e de medicamentos.



Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.